SEJA CORAJOSO: Coragem evangélica para cuidar daqueles que você foi chamado a servir.


Por Bill Ascol |


“Timóteo” é um personagem complexo. Ele tem vinte e seis anos, formou-se recentemente no seminário e está em sua primeira igreja há seis meses. Ele e sua esposa, Maria, estão casados ​​há quatro anos, têm um filho de dois anos com outro filho a caminho.


Então, o que um ministro do evangelho deve fazer quando se encontra recentemente chamado para uma igreja que precisa ser colocada em conformidade com vários preceitos bíblicos? Timóteo, acredite em mim quando digo que seu relacionamento pessoal com o Senhor Jesus Cristo, seu relacionamento estável com sua esposa e família, seu conhecimento da sã doutrina e teologia, suas habilidades exegéticas e pastorais, bem como suas habilidades pessoais e de capacidade efetiva de comunicação, todos devem ser apoiados por uma coragem evangélica profundamente arraigada – o compromisso incondicional de ministrar o evangelho com compaixão, independentemente das consequências e sem se importar com o custo. Enquanto você trabalha em seu primeiro ministério pastoral, quero encorajá-lo a ter a coragem evangélica de investir naqueles a quem foi chamado a servir, de enfrentar aqueles cujos pecados são destrutivos para eles próprios ou para os outros e para confessar suas faltas àqueles contra quem você peca.


Em primeiro lugar, você deve sempre se lembrar de que Deus o chamou para ser um pastor de Suas ovelhas – aqueles que estão seguros na congregação e aqueles a quem Ele chamará no decorrer do seu ministério. Além disso, as ovelhas sob seus cuidados são compostas de cordeirinhos, ovelhas feridas, ovelhas em maturação e ovelhas errantes, todos com apetites diferentes em relação às refeições do evangelho que você deseja alimentá-las. O pastor sábio cultivará pacientemente as ovelhas, alimentando-as com a verdade bíblica de acordo com sua capacidade de recebê-la. É preciso coragem evangélica para cuidar das ovelhas em suas várias situações, pois você enfrentará várias tentações em suas tentativas de pastorear uma variedade de ovelhas.


Os cordeirinhos precisarão ser alimentados com o leite sincero da Palavra (1 Pedro 2:2). Eles precisarão de porções digeríveis das verdades preciosas do amor de Deus pelos pecadores, demonstrado na morte sacrificial suficiente e na ressurreição vitoriosa de Jesus. Eles precisarão ser ensinados a simplicidade de andar pela fé no sangue e na justiça de Jesus Cristo, um sangue e justiça que estão constantemente à disposição deles. Eles devem aprender que andar pela fé significa confiar nas promessas do evangelho como se fosse falado pessoalmente a eles. Será importante para eles saberem que esta fé em Jesus Cristo é mais poderosa e alegremente expressa quando frutifica na disposição de se arrepender e confessar seus pecados a outros quando outros pecaram contra eles, bem como na disposição de perdoar os outros quando outros pecarem contra eles. Existem muitas “primeiras lições” que os cordeirinhos precisam aprender, mas eles não podem aprender todas de uma vez. Nem irão necessariamente dominá-los na primeira vez que lhes forem ensinados. Cultivar um “regime alimentar” saudável que provoque um apetite constante em um jovem cristão exige paciência e tolerância. O ministro corajoso lutará contra a tentação de ficar impaciente ou desanimado com relação ao progresso do crescimento na graça do cordeirinho. Será preciso coragem evangélica para continuar ministrando o evangelho com compaixão alimentada por um compromisso incondicional, independentemente das consequências e não importa a que custo.


Em qualquer congregação, há ovelhas feridas – aquelas que foram profundamente feridas por outros na congregação ou pior ainda, feridas por encontros anteriores com aqueles que serviam no papel de subpastor de Deus. Você não deve se surpreender que essas ovelhas feridas tenham aprendido a não confiar naquele que ofereceria sua mão para alimentá-las com palavras de vida e cura. Eles provavelmente ficarão inclinados a se afastar completamente do ministério ou pelo menos assumir uma postura de “esperar para ver” a respeito do valor e da sinceridade de seu ministério. Novamente, grande paciência será necessária para suportá-los, enquanto ao mesmo tempo você luta contra a tentação de interpretar a reserva deles em se beneficiar de seu ministério como uma rejeição pessoal de você – ou pior ainda, do evangelho. O tempo tem um jeito de ajustar tudo e, se abordado de forma redentora pelo ministro do evangelho, pode ser seu amigo no ministério.


O corajoso ministro lutará contra a tentação de ficar impaciente ou desanimado com relação ao progresso do crescimento na graça do cordeirinho.

Com o tempo, todos enfrentam grandes necessidades – até mesmo ovelhas feridas. Muitas vezes, é em tempos de grande necessidade que Deus permite ao pastor fiel exercer o cuidado pastoral crítico na vida das ovelhas feridas. Uma dor maior e mais intensa experimentada no presente pode fazer com que o membro da igreja profundamente ferido coloque em segundo plano uma dor profunda do passado. É neste ponto que o ministro do evangelho deve reunir uma grande dose de coragem evangélica e estar disposto a entrar no meio da dor, mesmo correndo o risco de enfrentar a rejeição contínua inicial das ovelhas feridas. Digo inicial porque o coração de cada ovelha de Jesus bate com Seu amor e misericórdia – não importa o quão danificado esteja, e essa misericórdia acabará se expressando para aqueles que são misericordiosos. Quando você prova a sinceridade de seu amor para com os feridos, você ganha o direito de falar com eles sobre coisas eternas. Ao acumular esse tipo de garantia pastoral, você ganhará seus ouvidos e seus corações.


Algumas das experiências pastorais mais deliciosas ocorrem entre o pastor e as ovelhas maduras – aquelas que demonstram um apetite saudável pela Palavra de Deus e que manifestam um apreço genuíno pela sã doutrina. Idealmente, esses devem ser os líderes da congregação. Esses são os que fazem as perguntas certas, tiram as conclusões certas e exibem um apetite crescente pela carne da Palavra. Eles não se cansam de ouvir (ou de contar) a "velha, velha história de Jesus e Seu amor". Eles também muitas vezes expressam um “espírito bereano” em sua disposição de pesquisar as Escrituras para ver se as coisas aprendidas em seu ministério são ensinadas lá (Atos 17:10-11). Eles não têm medo de doutrinas bíblicas que não tenham sido ensinadas anteriormente. Eles só querem saber “o que diz a Escritura?”. As ovelhas em maturação estarão mais inclinadas a ser zelosos pela glória de Deus em suas vidas e na vida da congregação, mesmo que não saibam como expressar isso com precisão teológica. Eles terão o desejo de ver Jesus Cristo exaltado, convencidos de que Ele deve aumentar e eles devem diminuir. Os membros maduros da igreja são provavelmente aqueles que oram juntos pelo progresso do evangelho por meio do ministério e que agradecerão a Deus por enviar-lhes um ministro fiel do evangelho. Pode-se perguntar: "Por que a coragem evangélica é necessária para ministrar a pessoas como essas?". A resposta está na tentação de passar a maior parte do tempo com eles, correndo o risco de ignorar as necessidades dos menos maduros. Não se engane sobre isso, os pastores devem equipar os santos para fazerem a obra do ministério (Efésios 4:12) e devemos ensinar as coisas que vimos e ouvimos a homens fiéis que também serão capazes de ensinar a outros (2 Timóteo 2:2). O trabalho evangélico entre as ovelhas maduras é agradável, mesmo que o ministro se sinta cansado de maneira satisfatória. Entretanto, outra tentação é de que o pastor é suscetível a aceitar o elogio dirigido a ele pelos crentes maduros e transformá-lo em uma ocasião de orgulho, gabando-se e pensando mais alto de si mesmo do que deveria. É também nesse grupo que o ministro tem maior probabilidade de “baixar a guarda” de uma maneira ruim. Pode ser que alguns dos que estão mais entusiasmados com o seu ministério agora um dia se voltem contra você e rejeitem a verdade que você expõe. e devemos ensinar as coisas que vimos e ouvimos a homens fiéis que serão capazes de ensinar a outros também (2 Timóteo 2:2). O trabalho evangélico entre as ovelhas maduras é agradável, mesmo que o ministro se sinta cansado de maneira satisfatória. Outra tentação, entretanto, é que o pastor é suscetível a aceitar o elogio dirigido a ele pelos crentes maduros e transformá-lo em uma ocasião de orgulho, gabando-se e pensando mais alto de si mesmo do que deveria. É também nesse grupo que o ministro tem maior probabilidade de “baixar a guarda” de uma maneira prejudicial. Pode ser que alguns dos que estão mais entusiasmados com o seu ministério agora um dia se voltem contra você e rejeitem a verdade que você expõe.


Alegre-se, Timóteo, se o Senhor se agrada de cercá-lo com um grupo íntimo de discípulos em amadurecimento, famintos pela Palavra e que parecem apegar-se a cada palavra que você pronuncia. Mas guarde seu coração, para não se tornar como o Rei Davi, que começou a “acreditar em suas próprias façanhas” (2 Samuel 8:13; 11:1-2).


Talvez o grupo mais difícil para o qual um pastor tenta ministrar são aqueles que são ovelhas errantes. Em certa época, eles deram a impressão de ter um interesse vital no cristianismo bíblico e pareciam sinceramente querer crescer na graça como discípulos do Senhor Jesus Cristo. Mas agora eles se afastaram. Talvez sua pecaminosidade se expresse na negligência habitual do estudo da Bíblia, adoração ou outras reuniões cruciais da igreja. Como cristãos professos, eles levam o nome de Jesus Cristo. Talvez eles tenham envergonhado o nome de Cristo ao empreender um estilo de vida destrutivo que é perigoso para suas almas e escandaloso. Talvez eles tenham se tornado encrenqueiros e estejam provocando contendas na congregação. Qualquer que seja a natureza do padrão pecaminoso, a ovelha errante pode provocar ferimento espiritual e emocional sobre o pastor que leva a sério sua responsabilidade de tentar recuperá-la.


Os pastores devem equipar os santos para fazerem a obra do ministério (Efésios 4:12), e devemos ensinar as coisas que vimos e ouvimos a homens fiéis que também serão capazes de ensinar outros (2 Timóteo 2:2).

O pastor diligente pode descobrir em suas tentativas de recuperar aqueles que foram surpreendidos em uma falha (Gálatas 6:1) que ele não está lidando com alguém que é verdadeiramente uma ovelha. Pode ser que o indivíduo “professou” fé em Jesus Cristo, mas nunca realmente “possuiu” a verdadeira fé salvadora em Jesus Cristo (Atos 8:13-23). Como isso não pode necessariamente ser conhecido imediatamente, o pastor deve entrar no assunto como alguém que está tentando recuperar alguém que tem a presença do Espírito Santo em sua vida. No entanto, quando é descoberto que a "ovelha errante" é na realidade uma "cabra" ou mesmo um "lobo em pele de ovelha", então a missão muda da disciplina corretiva redentora de um discípulo rebelde para a disciplina corretiva redentora de (bem como o testemunho evangelístico para) um membro da igreja não convertido. Muita coragem evangélica é necessária para essa tarefa, porque às vezes pode ser insípida e pode muito bem resultar na difamação do caráter do pastor que ousou empreender o resgate de acordo com o ensino bíblico. O membro errante geralmente está muito disposto a “morder a mão que o alimenta” e não hesitará em manchar a reputação daqueles que se aventuram a lhe dizer que nem tudo está bem com sua alma.


Você precisará de grandes doses de coragem evangélica para se envolver no ministério de recuperar as ovelhas errantes. As tentações são duplas. Primeiro, existe a tentação de ser covarde e não tentar recuperar a ovelha errante. As racionalizações para isso são muitas. Talvez essa pessoa seja muito influente na igreja (ou parente ou amigo próximo de uma pessoa muito influente na igreja) e você não queira aborrecê-la. Talvez você não queira correr o risco de ofender as pessoas piedosas que ainda não têm a perspicácia bíblica para entender. Talvez você tenha medo de perder sua influência ou até mesmo seu ministério! É aqui que é importante lembrar que coragem evangélica é o compromisso incondicional de ministrar o evangelho com compaixão, independentemente das consequências e do custo. No entanto, a outra tentação é igualmente perigosa. É a tentação de lidar duramente com a ovelha errante (ou cabra ou lobo em pele de ovelha), agindo como se o objetivo da disciplina corretiva fosse retirá-la, lavando suas mãos quanto a ela e não tendo mais nada a ver com ela. No entanto, essa abordagem vira a disciplina corretiva redentora da igreja de ponta-cabeça e se torna uma ofensa não apenas na congregação, mas também no céu.


Como o errante pode muito bem se revelar não convertido, é provável que ele faça ameaças contra o pastor. O perigo que o pastor enfrenta em tal situação é entrar em modo de autodefesa. No entanto, o pastor é colocado sobre o rebanho por Deus para proteger as ovelhas daqueles que as espalhariam e dilacerariam – e não necessariamente para proteger a si mesmo (É por isso que uma pluralidade de presbíteros pode ser um arranjo abençoado em uma igreja – mas isso é assunto para outra carta!). O pastor deve dar sua vida pelas ovelhas. Timóteo, se você se encontrar diante do desafio de retirar uma ovelha errante, reúna a coragem evangélica para empreender o esforço de tal forma que proteja seu coração contra a covardia, a aspereza e o perigo sutil de se tornar auto defensivo.


Da próxima vez, veremos a coragem evangélica de confessar suas faltas àqueles contra quem você peca.

 

*Este trecho foi adaptado de Amado, Timóteo, editado por Tom Ascol. Amado Timóteo reflete a sabedoria coletiva de mais de 480 anos de experiência pastoral. Embora as cartas sejam dirigidas especificamente a jovens pastores, o conselho que elas contêm se aplica a ministros de todas as idades, denominações e, na maioria dos capítulos, a qualquer cristão sério.

 

Texto original: Be Courageous: Evangelical Courage to Cultivate Those You Have Been Called to Serve In: https://founders.org/2021/06/25/be-courageous-evangelical-courage-to-cultivate-those-you-have-been-called-to-serve/


Tradução: Tiago Silva




275 visualizações0 comentário