O pregador e a pregação da Linha Melódica. Entrevista com Dick Lucas.

por Leadership Resources|



Muitas composições musicais voltam repetidamente a uma melodia chave. A trilha sonora de muitos filmes ainda apresenta uma linha melódica essencial que ajuda a contar a história e a carregar peso emocional. De maneira semelhante, os livros da Bíblia têm uma "linha melódica" que se repete, compartilhando a ideia principal do livro e a resposta pretendida.


Não há ninguém mais qualificado para aprofundar o quê, o porquê e o modo de pregar a linha melódica do que nosso herói da pregação, Dick Lucas. Lucas, agora aposentado, fundou o Proclamation Trust para levantar a próxima geração de expositores da Bíblia.


Leia a transcrição da entrevista que foi originalmente publicada no PreachingToday.com


PreachingToday.com: O que você quer dizer quando fala sobre pregar a linha melódica de um texto?


Dick Lucas: Eu não inventei o termo linha melódica, mas ele se tornou bastante conhecido. A linha melódica é retirada do fato de que uma peça musical tem uma música ou uma linha que mantém a coisa toda unida. Queremos mostrar que, em uma carta do Novo Testamento, por exemplo, um tema mantém a coisa toda unida. Portanto, tirar versículos e passagens fora do contexto dessa linha melódica, esse tema, esse argumento que percorre a carta, não seria benéfico.


Por exemplo, 2 Timóteo 3:16 é freqüentemente retirado para provar a inspiração das Escrituras, o que, é claro, prova. Mas se você colocar na linha melódica da carta, você encontrará as instruções de Paulo para Timóteo sobre como ele deve continuar seu ministério, e Paulo está dizendo que o equipamento que Timóteo precisa para seu ministério é a Palavra de Deus, que irá capacitá-lo e treiná-lo em retidão e correção e tudo o mais. Conheço o diretor de uma faculdade de teologia que está determinado a incluir todo o currículo a partir de 2 Timóteo 3:16. Ou seja, ele quer que a Bíblia controle todas as outras disciplinas. É isso mesmo que Paulo está dizendo a Timóteo. Embora o versículo ensine a inspiração das Escrituras, e de fato sem a inspiração, as Escrituras não seriam poderosas para fazer o trabalho, o verso está falando especificamente com o homem de Deus (ao ministro, ao pastor, ao professor) e dizendo a ele como deve estar totalmente equipado.


Como esse princípio se desenvolve na preparação de um sermão?


Digamos que estou fazendo uma série sobre a Epístola a Judas. Começa com a maravilhosa declaração de que somos mantidos por Cristo, e termina com a maravilhosa doxologia: "Àquele que é capaz de impedir você de cair". Se você olhar para o material no meio da Carta, a ênfase é sobre como, através da obediência à fé e aos padrões que Deus estabeleceu, devemos evitar um desastre. Há um equilíbrio notável. Deus mantém seu povo - todos nós sabemos disso. Mas a carta está dizendo que não basta saber que Deus o mantém. O sinal de que Deus está mantendo seu povo é que eles estão se mantendo. Isso me dá compreensão sobre a carta. Isso me mostra do que se trata, para onde está indo. Existem alguns versículos complicados e importantes em Judas nos quais eu poderia gastar um sermão inteiro, mas se eu tiver o padrão e o argumento da Carta, isso fará muito mais sentido.


Quando você prega em uma seção de um livro, você ainda sonda o livro inteiro para trazer à tona essa Linha Melódica?


É uma das disciplinas mais importantes do pregador. É alarmante se você for a uma igreja onde uma equipe de pregadores está fazendo uma série sobre Hebreus, por exemplo, e cada pregador tem uma ideia diferente sobre o que é o Livro. É absolutamente essencial saber como está indo a linha melódica, o argumento, o tema do livro.


Quais são alguns dos segredos que você descobriu para encontrar a Linha Melódica de um livro e para tecer isso dentro e fora de um sermão de uma maneira que mantenha as pessoas interessadas?


Esse é o trabalho duro de preparação. É emocionante encontrar a razão pela qual o livro foi escrito. A dificuldade é que o estudioso, ao escrever seus comentários - e, é claro, eles são essenciais para nós como parte de nosso trabalho - inevitavelmente será um homem detalhista. Ele dirá o que significa cada palavra, de onde vem; ele vai falar sobre cada ponto e vírgula. Tudo bem, mas também quero saber por que está lá; o que os comentaristas geralmente não são tão bons assim, porque suas habilidades acadêmicas são aprimoradas pelos assuntos técnicos.

Se eu escrevesse uma carta a um amigo dizendo que estava pegando um trem e o encontraria em Cambridge às três horas, e essa carta fosse desenterrada em 2.000 anos, o estudioso não estaria interessado em saber por que a carta foi escrita. Ele olharia os detalhes da carta e escreveria monografias sobre eles. Por exemplo, na carta eu poderia ter dito que ligaria para o McDonalds a caminho de Cambridge. O estudioso dizia: "Esse sujeito, há 2.000 anos, deve ter sido um escocês e tinha amigos escoceses que ele chamou". Depois, alguém com um doutorado, descobriria que o McDonalds era um café. Tudo isso é interessante, mas não é sobre o que a carta foi escrita. A carta foi escrita para dizer: "Você me encontrará às três horas?" Portanto, a carta de 2 Pedro foi escrita para me avisar que eu serei afastado de minha firmeza, a menos que cresça na graça e no conhecimento de Deus. Isso governa a carta inteira. Então, eu preciso saber por que ele escreveu a carta, se eu vou olhar os detalhes.


Você geralmente encontra um versículo chave que o aconselha, ou é a repetição que o leva a pensar no pensamento principal?


Às vezes é um versículo chave. Um dos versículos que usamos recentemente foi Hebreus 13: 8. É o que chamo de "texto do calendário da cozinha": "Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e eternamente". Poucas pessoas têm a menor ideia do que realmente significa. Mas é uma chave para Hebreus, porque está dizendo que Jesus Cristo, em seu trabalho como sacerdote e em trazer a revelação de Deus, permanece para todo o sempre. Se a rainha da Inglaterra permanecesse para todo o sempre, o príncipe Charles nunca seria rei. Portanto, se o padre permanecer para todo o sempre, nunca haverá outro padre. Isso me diz que o tema de Hebreus tem a ver com a obra consumada de Cristo na cruz e que não precisa haver outro sacerdote, porque ele é o sacerdote para todo o sempre. Se ele é um sacerdote para todo o sempre, significa que terminou seu trabalho redentor e reconciliador, e há uma mensagem final à qual a igreja foi dada, à qual nada pode ser adicionado. Hebreus começa dizendo que Deus falou muitas vezes no passado, mas ele finalmente falou por seu Filho. Se você juntar essas duas coisas - o trabalho final e a palavra final -, você tem a mensagem de Hebreus, mas é provável que não consiga entender isso sem ler o Livro e dizer: Qual é o argumento que está sendo veiculado? O escritor está dizendo: Não se afaste desta Palavra. Não acrescente, porque a obra de Cristo como sacerdote foi concluída e você está reconciliado com Deus. Se você estiver reconciliado, ninguém poderá fazer nada para torná-lo mais reconciliado e mais aceitável.


Como treinamos as pessoas a ter a disciplina mental para seguir uma linha de raciocínio, para entrar no texto e ver o grande quadro conosco?


A maioria das pessoas prefere ordem e lógica a confusão. Às vezes devemos dizer ao pregador: “Ordem! Ordem! Onde você vai? Qual é o seu pedido?” A maioria das pessoas prefere que o pregador tenha algum tipo de pedido para que eles saibam em que direção eles deveriam estar indo. Chamamos isso de "lógica em chamas". Isso vem de Martin Lloyd-Jones, que disse que o sermão deveria ser conhecido por sua lógica, mas essa lógica deve estar em chamas, por isso não é apenas uma lógica acadêmica fria.


O grande sermão de Paulo aos atenienses é exatamente isso: lógica pegando fogo. Ele tem uma linha clara de ensino sobre a ignorância deles e por que eles são ignorantes e o que devem fazer sobre isso. Algumas pessoas gostam de confusão emocional, mas depois de um tempo elas preferem ter a mente dirigida e satisfeita. É como quando éramos crianças. Gostávamos de toda a comida errada, mas à medida que crescíamos, preferíamos mais alimentos nutritivos. Ao crescer espiritualmente, você prefere algo que nutre sua mente e também seu coração.


No domingo, pregarei sobre os etíopes em Atos 8. Uma das coisas que precisamos fazer quando chegamos a uma história familiar como essa é examinar a estrutura que o escritor usa ao contar a história. O escritor tem uma mão nisso e está contando a história com um ponto de vista. Agora você pode usar essa história de várias maneiras diferentes. Eu li um livro sobre evangelismo pessoal baseado na história da Etiópia, e isso é legítimo. Muitas vezes mantive essa história na manga quando me pediram para falar com empresários em pouco tempo, porque é a história de um empresário que conheceu Cristo. Mas nenhuma dessas razões é a razão pela qual Lucas conta a história. Lucas conta a história porque a igreja em Atos 8 está começando a sair para o mundo inteiro. É o momento em que os discípulos são expulsos de Jerusalém, primeiro para Samaria e depois para os confins da terra. Portanto, Atos 8 permanece como o primeiro capítulo daquela grande expansão da igreja no mundo. E Lucas quer nos dizer o que é o verdadeiro ministério evangelístico.


Agora, imagino que o estudo de Lucas era bastante desarrumado, porque ele recebia material o tempo todo de pregações, campanhas, milagres, perseguições e assim por diante. Mas ele na verdade passa um capítulo inteiro com duas histórias - Simão, o mágico, que é uma imagem falsa do ministério, e o etíope e Filipe, que é uma imagem verdadeira do ministério. Então, eu quero saber o que ele tem em mente quando escreve a história. Ele está querendo me dizer: Filipe, liderado pelo Espírito, está lhe dando um padrão de como evangelizar. O primeiro ponto é que o etíope lhe diz: “Como posso entender este livro sem um professor?” Lucas está dizendo que a Bíblia não é auto-explicativa, que Deus designou professores. Então, quando recorro às epístolas pastorais, descubro que apenas uma qualificação profissional é necessária para ser ministro: ele precisa ser um professor apto. Então, quando volto para o etíope, acho fascinante que o Espírito Santo envie Filipe ao deserto, para uma campanha evangelística que não pode ter sido um convite muito bem-vindo, onde ele encontra uma pessoa lendo um texto bíblico que ele não entende. O etíope diz a ele: "Você vem e me guia?" E a palavra grega significa simplesmente "explique", "ensine-me".


Então, Lucas está me dizendo que o evangelismo começa com o entendimento das Escrituras e que o evangelismo não está coletando “escalpos”; não está deixando as pessoas emocionalmente ligadas e nem pedindo uma decisão quando as pessoas não sabem sobre o que estão sendo solicitadas a decidir. Começa com o ensino da Bíblia. É imensamente encorajador para um jovem ministro que sente que deve deixar o evangelismo para os profissionais quando lhe dizem: "Se eu ensino a Bíblia, estou começando o empreendimento evangelístico". Isso vem da análise da estrutura da história.

Na Proclamation Trust, temos um princípio de pregação chamado “Período de perguntas”. Nós tiramos isso da passagem nos Evangelhos sinóticos, onde Cristo está sob fogo com perguntas. Ele costuma fazer uma pergunta em troca. De fato, ocasionalmente ele diz: "Eu não responderei sua pergunta até que você responda a minha: de onde João Batista obteve sua autoridade?" E eles não querem responder, então ele diz que não responderá. O que aprendemos é que o pregador não está lá principalmente para responder às perguntas que as pessoas têm; ele está lá principalmente para apresentar as perguntas que Deus está nos fazendo.


Quando eu estava ministrando nas universidades, costumava ser empurrado contra a parede pelos estudantes, e eles costumavam me espancar com perguntas. Deus estava no banco dos réus. A impressão era que, se eu pudesse lhes dizer por que Deus havia feito o mundo de maneira tão podre, eles poderiam presumir acreditar nele. Essa é uma maneira completamente errada de fazer apologética cristã. Deus não está no banco dos réus. Somos nós que estamos no banco dos réus. Meu trabalho como pregador é chamar a atenção das pessoas para as grandes perguntas que Deus pede que elas nunca ouviriam de outra maneira.


Quando eu estava pregando para jovens urbanos em Londres, muitos dos quais com vinte e poucos anos, que estavam começando a ganhar muito dinheiro, lhes fiz perguntas como: “O que beneficiará um homem de ganhar o mundo inteiro e perder a alma?” Simplesmente colocava diante deles uma conta de lucros e perdas e dizia: “Eu posso ganhar o mundo inteiro. Eu posso assumir o controle da Harrods. Eu posso assumir o Banco da Inglaterra. Eu posso me tornar um multimilionário e depois morrer e perder minha alma e ir para o inferno eternamente. Onde está o lucro nisso? ” Eles nunca ouviram ninguém fazer essa pergunta antes. A pergunta que Deus nos faz nas palavras de Cristo é infinitamente mais importante do que uma pergunta que eles podem me fazer, que é em grande parte resultado de sua ignorância, porque eles não se sentaram sob o ensino da Bíblia.


Então, em “Question Time”, estamos tentando dizer que a igreja deve estar no pé da frente, não no pé de trás - não porque queremos ter orgulho ou dificuldade, mas porque na verdade somos as pessoas no banco dos réus e Deus é aquele que está fazendo as perguntas. O pregador precisa conhecer sua responsabilidade.


Veja que o Salmo 2 começa com essa pergunta magnífica: Por que os governantes e reis da terra se unem e se enfurecem contra o Senhor e seus ungidos? Essa não é uma pergunta que alguém já fez. As perguntas que fazemos e que estão no nosso jornal diário são: “Por que palestinos e judeus lutam entre si e por que não podemos impedi-los?” Essa é uma pergunta importante, mas não é a pergunta que a Bíblia está fazendo. A Bíblia está perguntando: Por que o mundo está lutando contra Deus? “Bem”, diz Jones, ouvindo isso, “eu nunca soube que estava”. Podemos então prosseguir para o Novo Testamento e mostrar que somos todos por natureza não apáticos a Deus, mas antagônicos. Você e eu não aprendemos isso até que o Espírito Santo comece a nos ensinar em nossos próprios corações que somos inimigos de Deus. Mas você logo aprende isso como pastor ou obreiro cristão, porque conversa com as pessoas sobre coisas cristãs e encontra uma enorme hostilidade sempre que as coisas se aproximam delas. O Salmo 2:1 levanta essa grande questão, que as pessoas jamais ouviriam.



Richard Charles "Dick" Lucas é um pastor anglicano, mais conhecido por seu longo ministério em St Helen's Bishopsgate em Londres, Inglaterra, e por seu trabalho como fundador do Proclamation Trust e do Cornhill Training Course.








Fonte: www.leadershipresources.org

Traduzido com permissão

Título original: Dick Lucas on Preaching the Melodic Line: How Grand Themes Enrich a Sermon

Tradução: Nelson Galvão


#pregaçãoexpositiva

#princípiohermenêutico

440 visualizações

Prega a Palavra, insiste a tempo e fora de tempo, aconselha, repreende e exorta com toda paciência e ensino

2 Timóteo 4.2

© 2020 pela Associação Bíblica Pregue a Palavra
R. Santo Rosa, 96 - Jardim Alvinópolis, Atibaia - SP - Brasil, 12943-050

CNPJ: 15.156.924/0001-59 

Secretaria: (11) 4412.6679

Entregas de compras em até 15 dias

  • Facebook Clean
  • White YouTube Icon