Mulheres pastoras, pregadoras e o teste iminente da Convenção Batista do Sul


Por Dr. R. Albert Mohler Jr |


"Eis que uma pequena nuvem, como a mão de um homem, está subindo do mar." Essa foi a mensagem que o profeta Elias ouviu de seu servo. Então, "E em pouco tempo os céus se tornaram negros com nuvens e vento, e caiu uma grande chuva."


É assim que os problemas costumam surgir. No início, existe apenas uma pequena nuvem. Logo depois, vem a chuva torrencial. Bem, aí vem.


A questão das mulheres servindo como pastoras e pregadoras em igrejas agitou a Convenção Batista do Sul da década de 1970 até que o Ressurgimento Conservador na Convenção esclareceu a questão conclusivamente na revisão de Fé e Mensagem Batista de 2000. Nunca houve um momento em que mais do que um punhado de mulheres serviam como pastoras nas igrejas da SBC, mas as principais denominações protestantes estavam se precipitando na ordenação de mulheres como pastoras e sacerdotes (episcopais), impulsionado por duas energias principais - primeiro, as demandas do feminismo de segunda onda e, segundo, os impulsos desencadeada pela teologia da libertação. Em ambos os casos, o principal obstáculo era a Bíblia, mas, já comprometidas pelo liberalismo teológico, essas denominações empregaram argumentos revisionistas para desarmar qualquer argumento das Escrituras. As estratégias de subversão bíblica também assumiram duas formas básicas. O argumento foi apresentado que ou a Bíblia foi mal interpretada pelos cristãos por quase 2.000 anos ou a Bíblia está irremediavelmente atolada no patriarcado e na opressão e os autores bíblicos estavam totalmente errados.


Normalmente, os argumentos andavam juntos. Comparando o apóstolo Paulo com o Rev. Norman Vincent Peale (um pregador de pouca teologia, mas muito pensamento positivo), o senador Adlai Stevenson fez a famosa frase: "Acho São Paulo atraente e São Peale apavorante." Bem, os teológos liberais e feministas acharam São Paulo terrível. Os teóricos LGBTQ estão totalmente de acordo.


O resultado foi a feminização do protestantismo liberal. Falando francamente, simplesmente não sobraram tantos homens assim. Na verdade, não sobraram muitas pessoas nessas igrejas. A teologia liberal é o beijo da morte para qualquer igreja ou denominação. Pouco resta senão ativismo de justiça social e manutenção adiada.


Entre os evangélicos inclinados à esquerda, os argumentos da época eram um pouco mais moderados, mas eles chegaram à mesma conclusão - a igreja errou ao restringir o ofício de ensino da igreja aos homens. As mulheres devem ser chamadas e ordenadas e colocadas em púlpitos e investidas de total e igual reconhecimento da autoridade docente. A pequena, mas influente ala esquerda da Convenção Batista do Sul estava entusiasmada com o avanço das mulheres como pastoras na década de 1970, na década de 1980 os "moderados" do establishment na SBC tornaram-se teoricamente comprometidos com as mulheres como pastoras. Os moderados tinham muito a dizer sobre seu apoio às mulheres no pastorado, mas a grande maioria de suas igrejas estavam (e permanecem) inflexivelmente certa de que seu pastor deve ser um homem. Antes do Ressurgimento Conservador, os seminários apoiavam muito as mulheres que estudavam para o pastorado, mas relativamente poucas igrejas estavam realmente abertas à ideia.


Na verdade, a questão das mulheres servindo como pastoras alimentou o Ressurgimento Conservador na SBC. A pergunta foi instantaneamente esclarecida. A divisão sobre as mulheres servindo no pastorado serviu como um sinal da divisão mais profunda sobre a autoridade e interpretação da Bíblia. Simplificando, a única maneira de afirmar as mulheres servindo no papel pastoral é rejeitar a autoridade e suficiência de textos bíblicos como 1 Coríntios 14 e 1 Timóteo 2. Há mais no quadro, mas não menos. Além disso, a igreja cristã em virtualmente todas as tradições ao longo de quase dois milênios em quase todos os lugares da terra entendeu esses textos claramente. Na maioria das igrejas ao redor do mundo, não há dúvida sobre esses textos até agora. Além disso, há o testemunho das diferenças dadas por Deus nas funções de homens e mulheres na igreja e no lar em toda a Bíblia. O padrão da verdade revelada não é difícil de seguir.


Os Batistas do Sul codificaram as questões de convicção como parte de nossa confissão de fé no ano 2000. A declaração de Fé e Mensagem Batista foi revisada para deixar claro que: "Embora tanto homens quanto mulheres sejam talentosos para o serviço na igreja, o ofício de pastor é limitado aos homens qualificados pelas Escrituras. " Novamente, a declaração é bastante clara, e essa declaração é parte do fundamento confessional que permite que as igrejas Batistas do Sul cooperem na missão e ministério. Cada professor de seminário ensinando em nossos seis seminários é obrigado a esse ensino, é melhor deixar isso claro. O mesmo é verdade para todos os missionários e obreiros da Junta Missionária Internacional e da Junta Missionária Norte-Americana - e para cada trabalho da convenção da SBC.


A Constituição da Convenção Batista do Sul inclui esta declaração crucial: "A Convenção apenas considerará que uma igreja está em cooperação amigável com a Convenção e simpática com seus propósitos e trabalho (ou seja, uma igreja 'cooperante' como o termo é usado em os documentos que regem a Convenção) que (1) tem uma fé e prática que se identifica estreitamente com a declaração de fé adotada pela Convenção. " Existem dois critérios adicionais listados, mas o primeiro critério é concordar com as convicções da Convenção.


Mais recentemente, menos de vinte anos após essa declaração clara, alguns Batistas do Sul buscaram distinguir entre o ofício de pastor e o ato de pregar, permitindo assim que as mulheres pregassem para a congregação, mas argumentando que o papel do "pastor sênior" é ainda reservado para homens. Um argumento semelhante avançou entre alguns presbiterianos, que argumentam que uma mulher deve ter permissão para realizar qualquer ato de ministério aberto a um homem não ordenado. Sinceramente, duvido que o argumento funcione até mesmo para os presbiterianos, mas terei que deixar o argumento dos presbiterianos para os presbiterianos. Em qualquer caso, o argumento certamente não funciona para os batistas por duas razões gritantes. Primeiro, não temos teologia de um ministério ordenado. Não temos base teológica para fazer da ordenação a questão determinante em nada. Você não encontrará nenhuma evidência de uma teologia de ordenação em qualquer confissão de fé Batista histórica. Você também não encontrará nenhuma referência a um pastor "sênior". Um pastor é um pastor e “o ofício de pastor é limitado a homens qualificados pelas Escrituras”.


A segunda razão é igualmente simples. Na eclesiologia batista, ofício e função são precisamente a mesma coisa. Pergunta: Quem é seu pregador? Resposta: Quem está fazendo a pregação. Os batistas resistem corretamente a qualquer distinção entre ofício e função, acreditando que tal distinção seja estranha ao Novo Testamento.


Ainda mais recentemente, algumas igrejas começaram a designar (e até ordenar) mulheres como pastoras. Em alguns casos, não é certo o que isso significa e se invoca o ofício de ensino. Em outros casos, é evidente que não significa uma mulher no ofício de ensino. Na semana passada, a Saddleback Community Church, na Califórnia, ordenou três mulheres como pastoras. Em um desenvolvimento descrito pela igreja como "histórico", a igreja postou uma foto das ordenações com o texto: "O pastor da Igreja Saddleback, Rick Warren, e outros oram pelas três primeiras mulheres que a igreja ordenou como pastoras."


Dado apenas aquele texto limitado, seria difícil saber exatamente o que a igreja quis dizer com a ação, mas certamente incluiria a identificação das três mulheres como pastoras. Visto que cada um já estava na equipe do ministério da igreja, a notícia só faria sentido se as ordenações significassem algo bastante significativo.


O quadro completo entra em foco quando uma das mulheres, identificada como Pastora Cynthia Petty, explicou em um formato de entrevista que "esta mudança na filosofia para 'mulheres no ministério' foi revolucionária". Ela continuou: "Fiquei honrada e me senti extremamente humilhada. E o que eu acredito que significou mais para mim foi como isso seria inovador para todas as ministras mais jovens da equipe que realmente tinham o desejo ou sonho de ser pastor um dia ! " Mais tarde no documento, ela sugeriu que "o papel das mulheres na igreja evoluiu" e concluiu: "Este é um novo dia para as mulheres no ministério e estou honrada e abençoada por ajudar a carregar o manto de ser uma pastora e ter o título como pastor do Ministério NextGen na Igreja Saddleback! "


Em outras palavras, não há dúvida de que essas três mulheres são consideradas pastoras e docentes. Os Batistas do Sul são claros, através da Fé e Mensagem Batista, que isso é contrário às Escrituras.


Os Batistas do Sul estão agora, mais uma vez, em um momento de decisão. Este não é mais um ponto de tensão e debate. Esses movimentos representam uma tentativa de redefinir e reformular o fundamento de convicção da fé Batista do Sul e do ministério cooperativo. As questões teológicas não mudaram desde o ano 2000, quando os Batistas do Sul falavam clara e precisamente na Fé e Mensagem Batista. Mais importante ainda, as Sagradas Escrituras não mudaram e não podem mudar.


As convicções da Fé e Mensagem Batista - todas elas - descrevem a base doutrinária para nossa Convenção e para nossa cooperação juntos. Qualquer uso do termo "pastor" para mulheres na liderança da igreja é, na melhor das hipóteses, imprudente e confuso. Em um número crescente de casos, agora está claro que algumas igrejas, incluindo igrejas bastante grandes e bem conhecidas, estão colocando mulheres no cargo de pastor, em violação direta de nossa confissão de fé. Além disso, várias igrejas que estão pelo menos listadas como Batistas do Sul deram as boas-vindas e anunciaram mulheres pregando no culto matinal.


A Convenção Batista do Sul não deve ser obscura sobre nossas convicções teológicas e a base de nossa cooperação. Não podemos nos dar ao luxo de ser. As tentativas de negar o problema não funcionarão. Agora mesmo, os Batistas do Sul decidirão se vamos redefinir a doutrina da Convenção Batista do Sul. Não acredito que os Batistas do Sul permitirão que isso aconteça. Eu não acredito que os Batistas do Sul vão se afastar da verdade.


Mas, esta não é mais uma nuvem do tamanho de uma mão.

O texto de abertura é de 1 Reis 18: 44-45, ESV.

Dr. Mohler é um teólogo e ministro ordenado, e atua como presidente do The Southern Baptist Theological Seminary, a principal escola da Convenção Batista do Sul e um dos maiores seminários do mundo.

Texto original: Women Pastors, Women Preachers, and the Looming Teste of the Southern Baptist Convention

In: albertmohler.com


Tradução: Equipe Pregue a Palavra

1,251 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo