Cinco razões para pregar Tiago

por Gilson Mota |



Logo que assumi o ministério da Segunda Igreja Evangélica Batista de Araraquara, onde sou pastor já há 13 anos, me vi diante de uma igreja que necessitava saber mais sobre a prática do cristianismo no seu dia a dia. Dez anos depois da primeira exposição retornei ao livro para expô-lo novamente pelas seguintes razões: Primeiro, a pedido daqueles que ouviram da primeira vez e desejavam reestudar a Carta de Tiago. Segundo por notar que, após esse tempo, a igreja já tinha uma “cara” diferente em virtude dos membros novos que aderiram à membresia.


Tiago foi e é para mim um livro que me levou à uma compreensão muito clara sobre como fazer da vida cristã uma experiência prática. Tiago apresenta à igreja de seu tempo argumento que exige mudança de atitude pelas sentenças taxativas que impõe. Ele via uma igreja envolta em situações e dificuldades que exigiam uma atitude que refletissem a fé pregada na vida, no testemunho diário.


Pensando nisso esboço aqui algumas razões para pregar Tiago olhando para a igreja do seu tempo e pensando na igreja do nosso.


1 - A IGREJA EM MEIO AO SOFRIMENTO, QUE PRECISA APRENDER A PERSEVERANÇA E OBEDIÊNCIA À PALAVRA


Talvez um dos males do nosso tempo seja o fato de que desejamos todo o bem de Deus, mas, não queremos pagar o preço por seguí-lo. Tiago é taxativo ao dizer:“Meus irmãos, considerai motivo de grande alegria o fato de passardes por várias provações, sabendo que a prova da vossa fé produz perseverança; e a perseverança deve ter ação perfeita, para que sejais aperfeiçoados e completos, sem vos faltar coisa alguma.” Tg 1.2-4.


Esse encorajamento que Tiago faz aos crentes dispersos nem sempre é bem compreendido pela igreja do nosso tempo. De fato, não sabemos muito, no contexto brasileiro do século XXI, o que é sofrer pelo evangelho quando pensamos em perseguições. Vemos o que acontece mundo à fora mas não vivemos, entretanto, existem outras situações que nos tiram o ânimo de perseverar na caminhada cristã e, sem dúvidas, tal situação é para esse, seu sofrimento pessoal que lhe enfraquece a fé e desanima. James Moffatt (The General Epistles, pág. 9) chama a perseverança diante do sofrimento de "o poder para suportar a vida".


Pregar Tiago apresentando, logo de início, que a vida cristã nem sempre é completa tranquilidade vai de encontro à filosofia cristã do nosso tempo que ensina que ser “crente” é viver um mar de bênçãos e nenhuma provação. As muitas dificuldades na vida pessoal ou eclesiástica podem e devem ser vencidas com perseverança na vida com Deus.


Tiago conserva em seus escritos e, através dos tempos, nos mostra o que a igreja primitiva pensava no que diz respeito a sofrer por Cristo, pois, certamente aprenderam do próprio Cristo. E com eles corroboram outros apóstolos nos textos que seguem:


“Bem-aventurados sois, quando vos insultarem, perseguirem e, mentindo, disserem todo mal contra vós por minha causa. Alegrem-se e regozijem-se, porque grande é a recompensa de vocês nos céus, pois da mesma forma perseguiram os profetas que viveram antes de vocês". Mt 5.11-12;


Então concordaram com ele. E, chamando os apóstolos, aplicaram-lhes chicotadas e ordenaram que não falassem em nome de Jesus. Então os soltaram. E eles retiraram-se de diante do Sinédrio, alegres por terem sido julgados dignos de sofrer afronta por causa do nome de Jesus. E todos os dias, no templo e de casa em casa, não cessavam de ensinar e de anunciar Jesus, o Cristo.” At 5.40-42;


“E não somente isso, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz perseverança, e a perseverança, a aprovação, e a aprovação, a esperança; e a esperança não causa decepção, visto que o amor de Deus foi derramado em nosso coração pelo Espírito Santo que nos foi dado.” Rm 5.3-5;


“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos regenerou para uma viva esperança, segundo a sua grande misericórdia, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança que não perece, não se contamina nem se altera, reservada nos céus para vós, que sois protegidos pelo poder de Deus, mediante a fé, para a salvação preparada para se revelar no último tempo. Nisso exultais, ainda que agora sejais necessariamente afligidos por várias provações por um pouco de tempo, para que a comprovação da vossa fé, mais preciosa do que o ouro que perece, embora provado pelo fogo, redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo.” 1 Pe 3.1-7.