4 razões para pregar por meio de Rute

Atualizado: 17 de Jul de 2019

por Jonathan Rourke |


Aproximadamente 0% dos pastores convidados a falar em uma conferência masculina escolheriam o livro de Rute. Se eu tivesse que adivinhar, diria que Rute é visto como um livro de mulher. Afinal de contas, leva o nome de uma mulher, é focado principalmente em mulheres e, portanto, ganha a reputação de ser um livro de romance santificado apto apenas para estudo bíblico de senhoras.


Isso é uma verdadeira vergonha, porque resulta em negligenciar um livro que de outra forma seria uma tremenda bênção para toda a congregação. Afinal, poderia facilmente chamar o livro de “Boaz” e torná-lo um livro para homens. Ele é uma das figuras centrais da história, e sem ele a genealogia no final não estaria lá, terminando a linha que trouxe Davi e, eventualmente, o Senhor Jesus Cristo. Além disso, Boaz é um dos melhores exemplos de confiança e segurança na Bíblia. Ele é um dos únicos heróis que não recebe críticas ruins - ele não decepciona. Ele não se atrapalha nem uma vez enquanto ele está nas páginas das Escrituras.


Existem dezenas de razões para pregar através de Rute, mas vou me limitar a quatro.


1. Ensina-nos a obedecer a Palavra de Deus.


O primeiro capítulo de Rute é sombrio. A eventual história de redenção e alegria é confrontada com um cenário de dor e sofrimento em constante expansão. Durante o período de autodeterminação irrestrita, quando “todos fizeram o que era certo aos seus próprios olhos” (Juízes 21:25), um homem escolheu fazer de sua família peregrinos em uma terra pagã.


Em vez de ficar com seu próprio povo e suportar a fome, Elimeleque tornou-se um refugiado na terra de Moabe, uma nação fundada pelos descendentes do incesto entre Ló e sua filha mais velha. Nesta terra de peregrinação voluntária, seus filhos se casaram com mulheres pagãs, e sua lealdade a Deus parece ter vacilado.


Em última análise, isso ilumina o eventual livramento dado por Deus. Também descreve as consequências de deixar o lugar que Deus tem para você em busca de melhores oportunidades. Deus ordenou essa mudança, mas foi nessa terra que a família inteira foi quase extinta. Ao pregar Rute, você tem uma oportunidade para lembrar os crentes de sua responsabilidade em obedecer a Deus na criação de seus filhos e de que os pais devem ser um exemplo de fidelidade bíblica. Haverá testes e provas, mas os fiéis perseveram.


Isso também significa que você prega sobre a providência de Deus e seu modo de usar o pecado e o mal para bons propósitos (cf. Gênesis 50:20). Se a família de Elimeleque não tivesse deixado Israel, não haveria casamento com Rute, e não havia razão para ela seguir Noemi de volta e acabar se casando com Boaz. Doces expressões de graça em face da fraqueza são tecidas lindamente entre cenas de pecado e julgamento. Há, portanto, uma tremenda esperança em Rute tanto para famílias fortes quanto para feridas.


Precisamos pregar Rute porque nos mostra que a desobediência tem consequências, mas que as consequências têm propósitos que levam à esperança no Último Dia.


2. Ensina-nos sobre a soberania divina e a responsabilidade humana.


Rute estava em uma situação muito difícil, tanto em casa quanto em Israel. Mulheres solteiras desesperadas que vivem em uma situação de ilegalidade têm poucas opções quando se trata de trabalho. Naquelas eras sombrias, elas não eram educadas, não se envolviam em comércio e eram frequentemente relegadas a servidão ou prostituição. Uma das principais lições que aprendemos como igreja é que a providência é muitas vezes dolorosa. Mas Deus não deve ser julgado de acordo com nossos padrões. Ele deve ser pregado como o Rei Soberano, e nós somos seus súditos. Ele fará o que quiser e nos alegraremos porque isso lhe traz glória.


O livro de Rute lembra à igreja (e especialmente os homens piedosos) da oportunidade de alterar a vida das pessoas em risco de exploração. É uma responsabilidade maravilhosa para qualquer crente saudável. Rute optou por deixar a cidade, onde grande parte da indústria imoral continuou, e trabalhou muito em campo aberto. No entanto, se não fosse por homens como Boaz que notaram, protegeram e cuidaram dela, toda a situação teria permanecido incrivelmente difícil.


Também vemos a doce providência de Deus ao longo do livro. Em Rute 2: 3, o autor nos conta q