4 razões para pregar por meio de Rute

Atualizado: 17 de Jul de 2019

por Jonathan Rourke |


Aproximadamente 0% dos pastores convidados a falar em uma conferência masculina escolheriam o livro de Rute. Se eu tivesse que adivinhar, diria que Rute é visto como um livro de mulher. Afinal de contas, leva o nome de uma mulher, é focado principalmente em mulheres e, portanto, ganha a reputação de ser um livro de romance santificado apto apenas para estudo bíblico de senhoras.


Isso é uma verdadeira vergonha, porque resulta em negligenciar um livro que de outra forma seria uma tremenda bênção para toda a congregação. Afinal, poderia facilmente chamar o livro de “Boaz” e torná-lo um livro para homens. Ele é uma das figuras centrais da história, e sem ele a genealogia no final não estaria lá, terminando a linha que trouxe Davi e, eventualmente, o Senhor Jesus Cristo. Além disso, Boaz é um dos melhores exemplos de confiança e segurança na Bíblia. Ele é um dos únicos heróis que não recebe críticas ruins - ele não decepciona. Ele não se atrapalha nem uma vez enquanto ele está nas páginas das Escrituras.


Existem dezenas de razões para pregar através de Rute, mas vou me limitar a quatro.


1. Ensina-nos a obedecer a Palavra de Deus.


O primeiro capítulo de Rute é sombrio. A eventual história de redenção e alegria é confrontada com um cenário de dor e sofrimento em constante expansão. Durante o período de autodeterminação irrestrita, quando “todos fizeram o que era certo aos seus próprios olhos” (Juízes 21:25), um homem escolheu fazer de sua família peregrinos em uma terra pagã.


Em vez de ficar com seu próprio povo e suportar a fome, Elimeleque tornou-se um refugiado na terra de Moabe, uma nação fundada pelos descendentes do incesto entre Ló e sua filha mais velha. Nesta terra de peregrinação voluntária, seus filhos se casaram com mulheres pagãs, e sua lealdade a Deus parece ter vacilado.


Em última análise, isso ilumina o eventual livramento dado por Deus. Também descreve as consequências de deixar o lugar que Deus tem para você em busca de melhores oportunidades. Deus ordenou essa mudança, mas foi nessa terra que a família inteira foi quase extinta. Ao pregar Rute, você tem uma oportunidade para lembrar os crentes de sua responsabilidade em obedecer a Deus na criação de seus filhos e de que os pais devem ser um exemplo de fidelidade bíblica. Haverá testes e provas, mas os fiéis perseveram.


Isso também significa que você prega sobre a providência de Deus e seu modo de usar o pecado e o mal para bons propósitos (cf. Gênesis 50:20). Se a família de Elimeleque não tivesse deixado Israel, não haveria casamento com Rute, e não havia razão para ela seguir Noemi de volta e acabar se casando com Boaz. Doces expressões de graça em face da fraqueza são tecidas lindamente entre cenas de pecado e julgamento. Há, portanto, uma tremenda esperança em Rute tanto para famílias fortes quanto para feridas.


Precisamos pregar Rute porque nos mostra que a desobediência tem consequências, mas que as consequências têm propósitos que levam à esperança no Último Dia.


2. Ensina-nos sobre a soberania divina e a responsabilidade humana.


Rute estava em uma situação muito difícil, tanto em casa quanto em Israel. Mulheres solteiras desesperadas que vivem em uma situação de ilegalidade têm poucas opções quando se trata de trabalho. Naquelas eras sombrias, elas não eram educadas, não se envolviam em comércio e eram frequentemente relegadas a servidão ou prostituição. Uma das principais lições que aprendemos como igreja é que a providência é muitas vezes dolorosa. Mas Deus não deve ser julgado de acordo com nossos padrões. Ele deve ser pregado como o Rei Soberano, e nós somos seus súditos. Ele fará o que quiser e nos alegraremos porque isso lhe traz glória.


O livro de Rute lembra à igreja (e especialmente os homens piedosos) da oportunidade de alterar a vida das pessoas em risco de exploração. É uma responsabilidade maravilhosa para qualquer crente saudável. Rute optou por deixar a cidade, onde grande parte da indústria imoral continuou, e trabalhou muito em campo aberto. No entanto, se não fosse por homens como Boaz que notaram, protegeram e cuidaram dela, toda a situação teria permanecido incrivelmente difícil.


Também vemos a doce providência de Deus ao longo do livro. Em Rute 2: 3, o autor nos conta que “aconteceu de vir para a parte do campo pertencente a Boaz”, que por acaso era um parente, e por acaso era solteiro e desejava casar com uma mulher que se julgava ser mais velha, viúva, estéril, imigrante. Como o escritor de hinos colocou:


Vós santos temerosos, coragem renovada;

As nuvens têm tanto medo

São grandes com misericórdia e devem quebrar

Nas bênçãos em sua cabeça.


Precisamos pregar Rute porque nos mostra como entender melhor a providência de Deus e a maneira como ele nos usa para fazer sua vontade.


3. Ensina-nos a considerar os pobres e vulneráveis.


Vivemos em uma era de exploração sem precedentes de mulheres. No entanto, a situação pode ter sido tão ruim ou pior no tempo de Rute. As mulheres eram propriedade e, se não conseguissem produzir descendentes masculinos, eram muitas vezes descartadas ou, pelo menos, suplementadas com outras mulheres que podiam.


Rute era estéril. Para piorar a situação, ela também era estrangeira e pobre. Isso é fundamental para lembrar, porque no mundo antigo, riqueza e nacionalidade eram os principais contribuintes para a qualidade de vida.


Em outras palavras, Rute teria sido um alvo fácil para os homens exploradores, mas em vez disso Deus mostrou sua misericórdia através de um homem judeu benevolente e rico chamado Boaz. Ele generosamente dá a ela uma ampla oportunidade de conseguir o que ela precisa, garante proteção e garante que suas necessidades sejam atendidas da mesma forma que as necessidades de seus próprios trabalhadores (Rute 2: 8–9).


Quando Boaz finalmente fala diretamente com Rute, ele não mostra nenhuma indicação de superioridade social. Ele é muito gentil e respeitoso, chamando sua filha e reconhecendo sua angústia. Mesmo que Ruth seja imigrante, ele abre caminho para ela ter sucesso na terra. Essa manifestação do amor e compaixão de Deus é um modelo para nós. Boaz não ajudou a todos, e ele não dividiu sua riqueza em um esforço para tornar as coisas justas. Em vez disso, ele tratou a todos com justiça e respeito, concedendo uma medida especial de graça àquele que mais precisava.


Precisamos pregar Rute porque nos mostra como proteger os fracos e vulneráveis ​​que carregam a imagem de Deus.


4. Ensina-nos sobre o nosso verdadeiro Redentor.


Por volta da meia-noite, a queda da temperatura faz com que Boaz estremeça e se vire na cama. Ele estava dormindo em sua colheita como uma maneira de protegê-lo e estar pronto para começar a trabalhar cedo no dia seguinte. Abaixando-se para cobrir seus pés, ele encontra uma mulher e faz uma pergunta razoável: "Quem é você?" (Rute 3: 9).


Esta é uma das maiores conversas da Bíblia. Quando ela pediu para ser capa, Rute essencialmente propõe um casamento que iria resgatá-la (cf. Ezequiel 16: 8; Deuteronômio 23: 1; Malaquias 2:16). É um apelo humilde, mas confiante para um redentor.


Essa conversa dá aos pregadores um palco aberto para exibir as glórias do evangelho na vida de duas pessoas comuns.


Boaz responde de uma maneira que aponta para suas próprias orações pela proteção de Rute (cf. 2:12). Deus está trabalhando através das ações de um homem justo para realizar seus planos para uma viúva fiel. O livro de Rute mostra como a providência divina e a imaginação humana frequentemente trabalham juntas na história da redenção. Haverá algumas reviravoltas dramáticas ao longo do caminho, mas no final ele recebe a garota.


Durante essa troca de propostas, Boaz chama Rute de sua filha e, em seguida, usa uma fórmula hebraica comum que pretendia deixar sua mente à vontade. Ele diz: “Não tenha medo”. Ele sabe que Rute é uma mulher virtuosa e alguém a redimirá. Esta é uma linguagem maravilhosa, melhor do que Shakespeare ou Milton, e a cena termina com uma mulher moabita descansando a cabeça novamente aos pés, com a esperançosa personificada.


Precisamos pregar Rute porque nos mostra uma imagem da redenção e adoção que temos em Cristo.


Jonathan Rourke


Jonathan Rourke é pastor sênior da Igreja Bíblica Tri-City em Vista, Califórnia.





Fonte: www.9marks.org.

Traduzido com permissão.

Título original: 4 Reasons You Should Preach through Ruth

Tradução: Nelson Galvão

#pregaçãoexpositiva


Você pode ler o restante dos artigos desta série aqui:


Pregando por meio da Bíblia

306 visualizações

Prega a Palavra, insiste a tempo e fora de tempo, aconselha, repreende e exorta com toda paciência e ensino

2 Timóteo 4.2

© 2020 pela Associação Bíblica Pregue a Palavra
R. Santo Rosa, 96 - Jardim Alvinópolis, Atibaia - SP - Brasil, 12943-050

CNPJ: 15.156.924/0001-59 

Secretaria: (11) 4412.6679

Entregas de compras em até 15 dias

  • Facebook Clean
  • White YouTube Icon