Uma história de dois administradores. Lições para pastores em Isaías 22.15-25

Atualizado: 17 de Jul de 2019

por Jeremiah J. Davidson |


Encaixado discretamente na primeira metade de Isaías temos um pequeno relato sobre dois administradores da casa real de Judá durante o reinado de Ezequias (2 Rs 18.37). Sebna e Hilquias têm muito a nos ensinar sobre liderança cristã e o pastoreio.


Antes de olharmos para os indivíduos, consideremos as responsabilidades do administrador. Os termos usados aqui em hebraico falam de alguém “útil” (הַסֹּקֵן), um servo (עֶבֶד) e o outro termo diz literalmente que ele está “sobre a casa” (עַל־הַבָּֽיִת). É um cargo de confiança, para administrar todos os afazeres de uma casa e, neste caso específico, o palácio real de Judá. Podemos imaginá-lo como um chefe de gabinete num governo dos nossos dias. É provável que muitos assuntos do palácio fossem resolvidos por ele antes mesmo de chegada do rei. É uma posição de grande confiança e poder, mas na sua essência é um servo. O Novo Testamento se apropria desta mesma linguagem para falar sobre crentes e principalmente pastores e presbíteros na igreja (a palavra grega oikonomos trata de um servo encarregado dos afazeres de uma casa).


O primeiro administrador que encontramos é Sebna.


Em Isaías 22.15-16, observamos algumas caraterísticas dele:


· Sebna não é um membro da família real. Ele é alguém de fora, talvez um estrangeiro ou gentio.

· Ele não é da realeza, mas está se esforçando para ser lembrado entre os reis após sua morte. Ele procura preparar para si mesmo um legado e um monumento para ser lembrado como alguém importante (2 Cr 16.14). Interessantemente um túmulo foi descoberto fora de Jerusalém com inscrição, “Túmulo do Mordomo/Administrador Real.” Pode ter sido feito por Sebna.

· Aparentemente, temos em Sebna um homem ambicioso, que usa a sua posição para a sua própria auto-promoção. Certamente, é um homem persuasivo e politicamente habilidoso para penetrar os mais altos escalões do reino.


Certamente a liderança cristã não é isenta de pessoas que têm a perspectiva de Sebna. Muitos podem encarar o ministério pastoral como uma forma de deixar um nome para a história. O pastor pode olhar para uma igreja e dizer: “aqui está o meu legado.” Outros podem procurar cavar sepulturas no alto através da escrita de livros ou grandes feitos ministeriais. Muitos desses com habilidade dizem estar servindo ao Rei dos Reis, mas suas vidas representam um projeto de construção do seu próprio nome e fama.


Isaías 22.17-19 traz uma mensagem para esse administrador. Aqui se destacam outros elementos negativos do seu caráter:


· Desfruta de “carros magníficos”, aproveitando dos privilégios da sua posição para andar como um rei.

· É uma vergonha para o seu senhor. Ele traz honra para si, mas vergonha para o rei ao qual deveria estar servindo.


A mensagem profética para Sebna é que será demitido da sua posição (provavelmente rebaixado pois lemos em 2 Rs 18 e Is 36.3 sobre Sebna sendo um escrivão/secretário debaixo do administrador Eliaquim). A sua morte não resultará num repouso glorioso nos túmulos ornamentados entre os reis, mas sim num campo aberto cercado pelos destroços dos carros que ele tanto se apegava.


O princípio se aplica aos que estão no ministério pastoral: Quem serve ao Rei para servir a si mesmo traz vergonha para o Rei e coloca a sua esperança em vaidades que logo passarão. Até os monumentos edificados para perpetuar a fama, caem rapidamente no esquecimento.


Isaías 22.20-24 nos conta sobre Eliaquim, que seria um administrador diferente de Sebna:


· O SENHOR colocará Eliaquim para tomar o lugar de Sebna.

· Num momento tumultuado ele será como um pai para o povo de Jerusalém e para a tribo de Judá.

· A Eliaquim serão dadas as chaves da casa de Davi, a autoridade de ceder acesso e tomar decisões em nome do rei.

· Ele será fixado por Deus como um prego firme, será de confiança, trazendo honra e glória para a casa do seu pai.


Eliaquim não é o egoísta que serve seus próprios interesses, mas é aquele que se prova digno de absoluta confiança do rei e da sua própria família.


Certamente nestas palavras você relacionou Eliaquim às palavras ditas por Jesus para Pedro sobre as chaves do Reino dos Céus (Mateus 16.19). Pedro, como apóstolo de Jesus, estava sendo alistado para ser um fiel administrador no Reino de Jesus Cristo, e pela pregação do Evangelho dar acesso ao Reino.


O próprio Pedro aplicou o termo fiel administrador aos crentes (1 Pd 4.10). O Apóstolo Paulo também falou da mesma forma (1 Co 4.1-2). Em Tito 1.7, o pastor/presbítero é um administrador da casa de Deus.


Eliaquim é um exemplo de administrador fiel e nos lembra a nossa posição e dever como crentes, como ministros do Evangelho e como pastores do rebanho do Senhor Jesus. Fidelidade como administradores é o nosso foco.


Mas, a história não acaba aqui. Temos uma surpresa em Isaías 22.25. O firme, fiel e confiável Eliaquim também cairá. Nisso lembremos que o melhor dos homens é apenas um homem. A mensagem do profeta Isaías é que o SENHOR coloca, o SENHOR tira. O pior dos administradores, Sebna, administra enquanto o SENHOR permite. O melhor dos administradores, Eliaquim, administra enquanto o SENHOR permite. Não coloque a sua confiança no administrador. Isaías exorta o povo: coloque a sua confiança no SENHOR soberano, pois o Reino pertence a Ele.


Como administradores devemos ser fiéis e confiáveis, buscando tão somente a glória do nosso Rei. Mas, cuidado para não super-estimar a nossa importância. Servimos por um tempo e logo passaremos. Os fiéis administradores não devem chamar o povo para uma confiança neles, por mais confiáveis que sejam. Somente o SENHOR é digno de confiança.

Cabe aqui ressaltar a importância dos líderes prepararem a próxima geração de fieis administradores, para que a casa de Deus continue suprida quando o líder não estiver mais.


A história de dois administradores ensina valiosas lições, especialmente para pastores e líderes. Os administradores maus passarão reprovados pelo SENHOR, cercados das vaidades que tanto valorizavam. Os administradores bons passarão aprovados pelo SENHOR, mas lembrando a todos na hora da sua passagem que há apenas um Rei e SENHOR. Ele e somente Ele é digno do serviço leal dos seus administradores e da confiança exclusiva do povo de Deus.


Jeremiah J. Davidson


Jeremiah e Ana Karlina casaram-se em 2006.

Ele é formado em Administração de Empresas pela Universidade Rutgers-EUA, e após dois anos de estudos no SBPV Brasil, concluiu seu curso de Mestrado em Artes no Novo e no Antigo Testamento no Biblical Theological Seminary, Pennsylvania-EUA.

Atualmente é Diretor Executivo da EPPIBA.




#ministériopastoral

162 visualizações

Prega a Palavra, insiste a tempo e fora de tempo, aconselha, repreende e exorta com toda paciência e ensino

2 Timóteo 4.2

© 2017 por Ministério Pregue a Palavra
R. Santo Rosa, 96 - Jardim Alvinópolis, Atibaia - SP - Brasil, 12943-050

Secretaria: (11) 4412.6679

  • Facebook Clean
  • White YouTube Icon