Quatro razões porque você deveria pregar por meio de Jonas

Atualizado: 30 de Mai de 2019




Quando cheguei à minha igreja há nove anos, comecei a alternar entre o Antigo e o Novo Testamento e seus gêneros literários. Eu rapidamente escolhi pregar Jonas. Eu pensei: "Quem não gosta de Jonas? É uma história de baleia. Certo?” Ops! Talvez não. Mas, mesmo como um jovem pregador, minha congregação e eu rapidamente descobrimos que o grande peixe de Jonas é apenas um adereço submarino usado para transportar este profeta desertor ainda mais longe do que ele poderia imaginar de Deus, apenas para descobrir que mesmo nas profundezas do mar, Deus ainda estava lá, o perseguindo, o preparando e o enviando.


Deus nunca perdeu de vista seu profeta e Deus nunca perdeu de vista Nínive. Jonas é um ótimo livro para jovens pregadores que querem pregar um profeta menor. Quase poderíamos intitular Jonas como: “Evangelismo e a Soberania de Deus”, exceto que J.I Packer já reivindicou esse título e eu não tenho o hábito de mudar os nomes dos livros da Bíblia.


RESUMO


O próprio Jesus parece afirmar claramente Jonas como uma figura histórica (Mt 12 e Lucas 11), um rude contemporâneo de Amós e Oséias, que parece representar um judeu típico. Da mesma forma, 2 Reis 14:25 defende a historicidade de Jonas, definindo sua profecia durante o reinado de Jeroboão II, rei de Israel, por volta de 793-753 aC.


Deus o envia em uma missão para advertir os ninivitas, dizendo: “Em quarenta dias Nínive será destruída!” (Jonas 3: 4). À primeira vista, esta mensagem parece simples e transparente, ainda que sombria. Mas Jonas corre para Társis (1: 3), na direção oposta de Nínive. Sua desobediência era talvez tão teológica quanto geográfica. Observe que Jonas correu “para fugir da presença do SENHOR” (1: 3). David Stronach, da Universidade Berkley, da Califórnia, oferece um exemplo do porquê de Jonas ter fugido. Ele relatou:


“Em um pilar de pedra, um soberano assírio gabou-se de 'nobres que esfolei'. Três mil prisioneiros queimei com fogo. Eu não deixei um refém vivo. Eu cortei as mãos e pés de alguns. Eu cortei os narizes, orelhas e dedos dos outros. Os olhos de numerosos soldados eu apaguei. Donzelas eu queimei como um holocausto.”


Você não pode culpar um pregador por não querer visitar um lugar como esse - seja antes, ou agora.


Em Jonas 2, Deus coloca Jonas na barriga de um peixe por três dias antes de cuspi-lo de volta à praia.


Em Jonas 3, Jonas obedece ao comando de Deus e finalmente entrega a mensagem a Nínive. Surpreendentemente, os ninivitas se arrependem e Deus cede. Mas como Jonas responde? Você acha que esse profeta missionário se alegra. Não tão rápido. Jonas 4:1 nos diz o contrário: “Mas desagradou muito a Jonas, e ele ficou irado”. Por quê? Jonas 4: 2 descompacta isto adicionando um importante detalhe de flashback intencionalmente deixado ausente desde o começo: “É por isso que me apressei a fugir para Társis; pois eu sabia que o Senhor é um Deus compassivo e misericordioso, paciente e cheio de amor leal, e te arrependes do mal.” Jonas não fugiu porque temia que os ninivitas o matassem; ele temia que Deus os salvasse. Para Jonas, Nínive não representava perigo para seu corpo tanto quanto para sua vontade.


QUATRO RAZÕES PARA PREGAR ATRAVÉS DESTE LIVRO


1. Jonas confronta todos nós com a vontade soberana de Deus.


Deus diz para ir. Jonas diz que não. Muito antes de Kevin DeYoung escrever Just Do Something, as pessoas procuravam ansiosamente entender a vontade de Deus. Mas não é assim com Jonas. Deus revela sua vontade a Jonas e este foge dela, não depois dela. Embora a mensagem e a missão de Jonas fossem únicas, o fluxo e refluxo de suas lutas com a vontade claramente revelada de Deus é comum a toda a humanidade. Um dos contrastes marcantes neste livro é a dicotomia entre como Jonas responde à Palavra de Deus e o modo como os pagãos ninivitas respondem. Jonas corre, mas Nínive se arrepende. Além disso, todos podemos nos relacionar com esse sentimento quando a Palavra de Deus reverbera em nossas almas e começa a desalojar algum pecado, desejo ou prática. O que você faz com esse sentimento? Você pega seus sapatos e corre? Se sim, qual o caminho que você está correndo?


2. Jonas nos mostra que não há lugar para se retirar do olhar de Deus.


No Salmo 139:7, Davi pergunta a Deus: “Para onde devo fugir da vossa presença?” Jonas responde à pergunta de Davi de maneira vívida e pontuada. Deus fala. Jonas corre. Enquanto ele corre, Deus corre ao lado dele sem suar a camisa e oferece um barco para ajudá-lo a pensar que ele escapou. Mas apenas para destacar que Deus não está impressionado com o quão duro e quão longe Jonas correu, Deus o desperta de sua sesta da vitória apenas para levá-lo às profundezas do mar, mais profundo do que o Sheol.

Lá, Jonas descobre que sua viagem foi reservada por Deus; Deus o levou para as profundezas, então ele aprendeu não apenas que ele não pode escapar da presença de Deus, mas também que Deus poderia elevar o olhar de Jonas até o Deus cujo olhar nunca o deixou. Não perca isso. O pecado leva à tristeza e a santidade à felicidade. Às vezes, é preciso ser engolido por um peixe grande para nos resgatar da nossa desobediência. Eu não sei quanto à você, mas eu prefiro não me tornar isca de peixe e ser vomitado em terra para uma segunda chance de obediência.


3. Jonas mostra o coração de Deus por trás da vontade de Deus.


Este livro revela tanto sobre o "coração" de Deus quanto sobre a "vontade de Deus" - e não há desunião aqui. A Palavra de Deus contra o pecado pulsa com o coração de Deus para salvar os pecadores.

Considere como isso é diferente do próprio Jonas. Deus busca o bem de seus inimigos mesmo quando o coração de seu profeta humano prova o contrário. O livro de Jonas funciona um pouco como aviso, um daqueles filmes que retêm um detalhe crítico da cena de abertura até mais tarde na história que, na verdade, muda completamente o significado de tudo que o precedeu. Aqui, esse detalhe surge no final de Jonas 4, onde está sua compreensão da intenção de Deus por trás do aviso. Jonas funciona como o inverso de Isaías, o profeta que diz a Deus: “Aqui estou; envia-me a mim”, e Deus responde dizendo que ninguém irá responder. Aqui, Deus envia seu evangelista àqueles que parecem mais distantes de Deus. Ele prega. Eles se arrependem. Deus se arrepende. E Jonas é ... depressivo? Espera. O que?


O flashback faz sentido na resposta de Jonas:


Ah! SENHOR! Não foi isso que eu disse quando ainda estava na minha terra? Por isso é que fugi depressa para Társis, pois sabia que és Deus compassivo e misericordioso, paciente e cheio de amor, e que te arrependes do mal.


Jonas não correu devido ao seu medo de Nínive, mas seu ódio deles. Eles eram cruéis. Eles eram maus. Jonas os via menos que humanos, menos valiosos do que a planta que lhe dava sombra.


Em resumo, Jonas era racista. Ele não viu os outros com o coração do Deus de Abraão, que prometeu abençoar todas as nações através dele em Gênesis 12.


O julgamento de Deus não forçou Jonas a correr. A violência dos Ninivitas não forçou Jonas a correr. A misericórdia de Deus em relação aos inimigos odiados de Jonas forçou Jonas a correr. Jonas antecipou a misericórdia de Deus e odiou-a. O livro de Jonas nos pergunta se nossos corações batem com Deus de tal maneira que antecipamos com prazer que Deus salva pessoas bem diferentes de nós, até mesmo de nossos inimigos, para que ele possa glorificar a si mesmo com uma demonstração aberta de sua misericórdia.


4. Jonas aponta para Jesus.


Dificilmente se pode perder as conexões com Cristo. Vou tentar limitar isso aos três mais claros.


Primeiro, tanto Jonas quanto Jesus deram suas vidas para salvar os pecadores. O eterno Filho de Deus nunca vacilou em vir resgatar rebeldes e inimigos, e trazê-los para si mesmo ao custo de sua própria vida. No Antigo Testamento, a água representa o caos que separa o homem de Deus. Dificilmente se pode perder a prefiguração de Cristo nos marinheiros que enchem Jonas no mar para silenciar a tempestade que ameaçava afundar seu barco (Jonas 2). Jonas argumentou que sua morte substitutiva salvaria suas vidas, mesmo que temporariamente. É claro que a ironia das ironias é que Jonas fugiu da vontade de Deus de salvar aqueles pecadores ninivitas e, na verdade, levou à salvação de ainda mais gentios - os marinheiros que ele esperava que o ajudariam a escapar de Deus.


Em segundo lugar, Jesus submeteu sua vontade a Deus em sua humanidade, enquanto Jonas impôs sua vontade sobre a de Deus.


Para ser claro, Jesus se submeteu a Deus Pai em sua humanidade, não em sua divindade. Deus o Filho e Deus o Pai nunca discordam. O Deus trino tem uma vontade; é simples assim. Mas contrastar Jonas com Jesus nos ajuda a exaltar a Cristo. A morte de Jonas parece quase suicida, e nada nos leva a pensar que sua morte decorresse de uma rendição à vontade de Deus de pregar aos ninivitas. De fato, sua depressão em resposta ao arrependimento e à salvação dos ninivitas confirma que, embora o coração de Jonas em relação a Deus possa ter mudado em Jonas 2, ele não abraçou totalmente a vontade de Deus de seu coração.


Claro que Jesus é maior que Jonas. O mar que Jonas enfrentou parece tão pequeno quando nós consideramos Jesus em pé na praia olhando para o mar, aparentemente infinito da ira de Deus; quando o consideramos no Jardim do Getsêmani na ocasião em que ele perguntou se aquela taça poderia ser removida de seus lábios e mesmo assim proclamou: "No entanto, não a minha vontade, mas que seja feita a tua vontade" (Lucas 22:42).


O Novo Testamento identifica Jonas como um tipo de Cristo que ilustra Jesus sendo engolido pela morte antes de ser ressuscitado para a vida, demonstrando vitória sobre o caos que separa o homem de Deus. Aquele peixe era como um carro fúnebre anfíbio levando Jonas até a morte por três dias. É claro que a morte que Jesus enfrentou foi mais do que metafórica (Mateus 12). Este mundo é também um tipo de Nínive, e Deus o derrubará no último dia. Mas hoje é o dia da salvação para todos os que ouvirem a voz de Cristo, para todos os que se arrependem e acreditam nas boas novas de que há perdão e redenção com o Deus cujo coração bate com misericórdia e graça. Louvado seja Deus por Jesus, o maior Jonas!


Poderíamos fazer isso o dia todo, mas há uma conexão final quando comparamos Jesus em Marcos 4, com Jonas 2.


Terceiro, Jesus é o homem-Deus.

Os marinheiros atiraram Jonas na água por medo da tempestade. Mas aqui está um detalhe surpreendente que você pode ter perdido. Quando a tempestade cessou, os marinheiros ficaram com muito medo: “Então os homens temeram muito o SENHOR, e ofereceram sacrifícios ao SENHOR e fizeram votos” (2:16). Na versão grega do Antigo Testamento, a Septuaginta, o construto para esse “medo” é essencialmente “mega-medo ao quadrado”. Essa frase é usada quase exclusivamente em grego para descrever uma teofania - quando as pessoas se envolvem com Deus.


Curiosamente, o Evangelho de Marcos provavelmente é originado pelos sermões de outro cara familiarizado com Jope e barcos, o apóstolo Pedro. Você mal consegue ler Marcos 4 sem sentir o impulso de voltar para Jonas 2. Acho que Marcos e Pedro querem que pensemos dessa maneira. E mais uma vez, as descontinuidades destacam como Jesus é maior que Jonas. Em Marcos 4, Jesus simplesmente desperta de seu sono para se juntar aos discípulos que temem uma grande tempestade. Jesus acorda e acalma a tempestade: “Cala-te! Aquieta-te!” (Marcos 4:39).


Poucos tomaram nota da notável semelhança entre a resposta dos marinheiros de Jonas e os discípulos de Jesus em Marcos 4:41; os discípulos estavam “cheios de grande medo”. Esse é o mesmo constructo que encontramos em Jonas 2:16: “mega-assustado ao quadrado”. Eles sentiram um encontro com Deus. Por que isso importa? Os marinheiros de Jonas se maravilham com o poder de Javé quando a tempestade cessa; Os discípulos de Jesus se maravilharam com Jesus, fazendo a pergunta: “Então quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” A resposta? Este é o Deus-homem que acalmará um caos maior na cruz. Em outras palavras, o homem Jesus é o próprio Deus.


Josh Vincent



Josh Vincent é o pastor sênior da Trinity Bible Church em Phoenix, Arizona.




Fonte: www.9marks.org.

Traduzido com permissão. 

Título original: 4 Reasons You Should Preach through Jonah

Tradução: Nelson Galvão


#pregaçãoexpositiva


Você pode ler o restante dos artigos desta série aqui:


1- 4 razões para pregar no livro de Juízes

2- Três razões para você pregar através de 1 e 2 Samuel

3- Três razões porque você deveria pregar por meio dos Salmos

4- Quatro razões por que você deveria pregar por meio de Habacuque.

268 visualizações

Prega a Palavra, insiste a tempo e fora de tempo, aconselha, repreende e exorta com toda paciência e ensino

2 Timóteo 4.2

© 2020 pela Associação Bíblica Pregue a Palavra
R. Santo Rosa, 96 - Jardim Alvinópolis, Atibaia - SP - Brasil, 12943-050

CNPJ: 15.156.924/0001-59 

Secretaria: (11) 4412.6679

Entregas de compras em até 15 dias

  • Facebook Clean
  • White YouTube Icon