Pregação que transforma a vida: uma entrevista com Haddon W. Robinson



Um excelente pregador compartilha como ele sente a mão de Deus ao falar com seus ouvintes.


Derek Morris (D.M.): Você recebeu muitos prêmios e reconhecimentos como um excelente

pregador, incluindo uma pesquisa da Baylor University onde você foi identificado

como um dos doze pregadores mais eficazes no mundo de língua inglesa. O que você mais gosta na pregação?


Haddon Robinson (H.R.): Há algo em sentir a mão de Deus enquanto você fala a uma

congregação, acreditando que, através de você, Ele está falando com seus ouvintes sobre Sua vontade para eles. Não há nada que se compare a isso.


D.M.: Qual é a parte mais difícil do processo de pregação para você?


H.R.: A parte mais difícil do processo de pregação é aprender como pegar uma passagem da Bíblia e aplicá-la ao século XXI. Nunca fica fácil porque você está lidando com duas entidades: um texto escrito há dois mil anos e pessoas hoje. Sermões bíblicos fortes devem ser bifocais. Eles precisam refletir a grande ideia do texto e também refletir as preocupações, necessidades e perguntas dos ouvintes de hoje. Por meio da pregação bíblica relevante, as pessoas podem entender e experimentar o que Deus tem a dizer a elas hoje. Mas trabalhar nesse processo é um desafio.


D.M.: Quando você desenvolveu uma paixão por ensinar as pessoas a pregar?


H.R.: Eu acho que recuei. Eu realmente não tinha paixão por ensinar as pessoas a pregar, mas tinha paixão por pregar bem. Quando eu estava no Seminário Teológico de Dallas (DTS) anos atrás, eu ia à biblioteca toda sexta-feira e lia livros sobre pregação. Eu não sabia muito sobre pregação, mas queria aprender. Então eu tive alguns alunos da minha classe sênior que me perguntaram se eu daria uma aula sobre pregação. Eles não tinham muita homilética na DTS naqueles dias, muito menos qualquer outro seminário. Então, toda semana eu dava uma aula para meus colegas. Ensinei-lhes o que sabia e o que não sabia! Mas esse foi o começo da minha experiência com o ensino de homilética.


Depois de me formar na DTS, servi como pastor assistente em Medford, Oregon. Um dia recebi uma carta do Dr. John Walvoord, me perguntando se eu voltaria para a ETED e ensinaria. Ele se arriscou comigo, embora eu tivesse muito pouco treinamento formal em pregação. Fiz mestrado em comunicação pela Southern Methodist University e doutorado em retórica e discurso público pela Universidade de Illinois. Quando fui para a universidade de Illinois, eles não sabiam o que fazer comigo. O conselheiro que eles sugeriram foi o Dr. Otto Dieter, um estudioso de clássicos. Eu o conheci na biblioteca de clássicos do campus. Ele estava sentado na ponta de uma longa mesa da biblioteca. Ele me disse: “Bem, o que você quer?” Eu disse: “Preciso de um conselheiro e eles acharam que você ajudaria”. “O que você pretende fazer no futuro?” ele perguntou. “Ensinar pregadores”, respondi. Ele disse: “Você acha que precisa do Espírito Santo para pregar?”. "Sim, eu disse". “Você está sem sorte", ele respondeu. “Ele não tinha estado neste campus há cinquenta anos.”


Naquela mesa da biblioteca havia uma velha Bíblia no púlpito. Não faço ideia de onde veio. Ele apontou para a Bíblia do púlpito e perguntou: “Você planeja pregar isso?”. Eu disse: “Sim, eu quero”. Então ele disse: “Eu li todos eles – Quintiliano, Platão. Eu nunca conheci ninguém cuja vida foi mudada pela leitura dos clássicos. Mas eu conheço algumas pessoas cujas vidas foram mudadas pela leitura da Bíblia”. Soube mais tarde que o Dr. Dieter tinha dois sobrinhos que realmente tinham ido para o fundo do poço, mas a leitura da Bíblia mudou suas vidas. Então ele estava falando de sua própria experiência.


D.M.: Ao longo de seus anos como professor de pregação, você sempre continuou a pregar regularmente. Por que é importante permanecer conectado como praticante e não

simplesmente trabalhar como professor de pregação?


H.R.: Parece-me que não basta ensinar sobre a pregação. Você tem que fazer isso. Ao pregar, você está envolvido no texto da Bíblia e na vida das pessoas. Seu ensino é moldado, movido e mudado por sua própria experiência de pregação. Meus alunos também me ajudaram a ser um pregador melhor. Nos últimos vinte anos, tenho ensinado estudantes de doutorado em ministério no Seminário Teológico Gordon-Conwell. Eles vêm da linha de frente e não deixam você se safar de nada. Eles levantam questões importantes sobre a pregação e se você está apenas inventando alguma teoria que realmente não toca a vida, eles irão desafiá-lo.


D.M.: Desde a publicação de seu livro best-seller sobre pregação, Pregação Bíblica: O

Desenvolvimento e Entrega de Sermões Expositivos*, sua instrução sobre pregação teve um impacto significativo no campo da homilética, não apenas nos países de língua inglesa, mas também em todo o mundo. O que você vê como a contribuição mais significativa que você fez para o treinamento de pregadores cristãos nas últimas três décadas?


H.R.: Acredito que todo sermão é a comunicação de uma ideia. Todo texto na Bíblia é sobre ideias. O desafio é tirar uma ideia da Bíblia, colocá-la em um sermão e pregá-la. Esse processo de descoberta da grande ideia é provavelmente a principal contribuição que fiz. Acabou sendo significativo. O que é tão estranho é que se você voltar à antiguidade, Quintiliano, Platão, Aristóteles – todos eles falam sobre a importância da ideia principal. Mas de alguma forma ela se perdeu ao longo dos anos ou nunca foi aplicada à pregação expositiva. Com a importância da grande ideia em mente, desenvolvi minha definição operacional de pregação bíblica como a comunicação de um conceito bíblico, derivado e transmitido por meio de um estudo histórico, gramatical e literário de uma passagem em seu contexto, a qual o Espírito Santo primeiro aplica à personalidade e experiência do pregador, depois, através do pregador, ao ouvinte.


D.M.: Como seus pensamentos sobre a pregação mudaram ao longo dos anos?


H.R.: As pessoas costumavam pensar que pregar era gritar. Se você não gritou, você não estava pregando. O que mudou minha abordagem de pregação foi o tempo que passei como diretor geral da Christian Medical and Dental Society, primeiro no Texas e depois em todo o país. Você não fica na frente de um grupo de médicos e dentistas e grita com eles. Você se pega falando com eles e não para eles. Era assim também que a comunicação estava indo, da ênfase no monólogo ao diálogo. Essa é uma grande mudança que tenho visto.


Eu acho que também há mais importância dada ao público. Você precisa estar ciente de seus ouvintes. Esse não era um tema dominante anos atrás. Você está falando para uma

congregação da classe trabalhadora ou para um grupo de ouvintes altamente educados?

Compreender seu público é importante quando você prega.


Também fiquei impressionado com a importância de títulos de sermões eficazes. Às vezes,

visito uma cidade no fim de semana e folheio as páginas religiosas do jornal. Leio títulos de

sermões como “A Igreja em Corinto” e penso: Quem se importa? Outros títulos são muito

práticos, como “Como ser um líder”. Existem certas igrejas que eu fui como pregador convidado e eles me pediram antecipadamente um título de sermão. Às vezes, quando envio o título do meu sermão, recebo uma resposta dizendo: “Precisamos de um título melhor do que esse. As pessoas têm que passar por outras sete igrejas para vir aqui, então se você não tiver um bom título de sermão, elas podem nem vir ouvi-lo.” A maioria das pessoas está perguntando: “Se eu for ouvir esse sermão, serei ajudado?” Mesmo que eles vejam apenas o título do sermão quando forem à igreja, um título eficaz já iniciou o processo de conexão com seus ouvintes.


D.M.: Seu livro Pregação Bíblica foi lançado recentemente em uma terceira edição. Quais são algumas das mudanças que você fez nesta edição?


H.R.: Acrescentei muitos exercícios. Descobri que quando os estudantes de pregação estavam lendo o livro, eles não conseguiam entender tudo o que eu estava dizendo. Eu uso muitos exercícios quando estou ensinando e os alunos apreciam essa abordagem. Por isso, acrescentamos mais, especialmente no que diz respeito à tarefa de encontrar o assunto e complemento no texto, e assim descobrimos a grande ideia da sua passagem de pregação. Não basta apenas ler a teoria. Você tem que trabalhar o processo.


D.M.: Você ocupou vários cargos em sua carreira. Que fatores o ajudaram a decidir se tornar o Professor Émerito de Pregação Harold John Ockenga no Seminário Teológico Gordon-Conwell?


H.R.: Cheguei à conclusão de que é difícil ficar em um lugar por mais de dez ou doze anos sem se repetir. Quando fui convidado para ir ao Gordon-Conwell, respondi positivamente porque parecia a coisa certa a fazer. Eu descobri ao longo dos anos que muitos pastores acreditam na Bíblia, mas eles não têm ideia de como pregá-la. Nosso foco em GordonConwell era simples – como pregar a Bíblia de forma eficaz. Também descobri que aprender a pregar é um processo de grupo. Você não pode simplesmente ficar na frente de um grupo e ensinar. Você precisa envolver o grupo – eles precisam interagir. No programa de doutorado em ministério, nós envolvemos todos os alunos no ensino da pregação, porque quando você tem que ensinar algo, você aprende.


D.M.: Que conselho você daria aos pregadores cristãos hoje?


H.R.: Pregue a Bíblia. Se você não prega a Bíblia, você não tem nada para pregar. Mas não

apenas pregue a Bíblia. Pregue a Bíblia para as pessoas. Entenda seu público. Quem são eles? Os pastores têm uma grande vantagem quando interagem com sua congregação. Você conhece suas mágoas, problemas e perguntas. Acho que é de vital importância que as pessoas em sua congregação saibam que você as ama. Você quer o melhor de Deus para eles. Quando você faz isso, você captura algo em sua pregação que é vital e sólido.


D.M.: Grandes líderes cristãos são lembrados por várias razões. Ao refletir sobre sua vida e

ministério, como você gostaria de ser lembrado?


H.R.: Fico mais satisfeito quando algo que ensino impacta a vida e o ministério de alguém.

Quando vejo isso acontecendo, é um grande prazer.

 

Nota do editor: Haddon W. Robinson foi reconhecido como um dos mais destacados

pregadores e professores de pregação no século XX. Ele concluiu sua carreira memorável como Professor Émerito de Pregação Harold John Ockenga no Seminário Teológico Gordon-Conwell.


Texto original: Life-changing preaching: An interview with Haddon W. Robinson

Disponível em https://www.ministrymagazine.org/archive/2014/07/life-changing-preaching

Tradução Tiago Silva


103 visualizações0 comentário