Os meios ordinários da graça de Deus são tudo que você precisa



Por Jeff Robinson |


Cal Ripken Junior se tornou um jogador de beisebol extraordinário por fazer uma coisa comum: ele apareceu para trabalhar. Ele fez isso várias vezes, um recorde de 2.632 vezes consecutivas. O homem da terceira base do hall da fama apareceu pela primeira vez no time titular do Baltimore Orioles em 30 de maio de 1982, em um jogo contra o Seattle Mariners, e seu nome não apareceu em 20 de setembro de 1998.


Barry Bonds se tornou uma nota de rodapé na história do beisebol ao tentar fazer algo extraordinário: quebrar as regras do beisebol. Um dos mais temidos sluggers das décadas de 1990 e 2000, Bonds quebrou um dos recordes mais consagrados do jogo — a marca eternizada de 755 home run de Hank Aaron. Mas Bonds fez isso trapaceando. Nos últimos anos de sua carreira ele usou drogas que aumentaram artificialmente seu desempenho — e inflaram seus totais de home run, permitindo-lhe passar Aaron. Para muitos fãs, Bonds é o Benedict Arnold do beisebol.


Por que começar um artigo do Blog Founders com essas anedotas do beisebol? Porque elas ilustram bem duas abordagens diferentes para o ministério — o caminho de Deus e o nosso. Na tradição reformada, a pregação, a oração e as ordenanças — o batismo e a Ceia do Senhor, têm sido frequentemente chamadas de “os meios ordinários da graça” porque formam o coração da adoração e os principais métodos de ministério em uma igreja bíblica fiel. Eles são os meios de Deus para transformar seu povo e devem formar o núcleo do ministério da igreja local.


Mas temo que, em nosso bom e correto desejo de ver discípulos feitos e a igreja de Deus construída, nos deixemos levar pelo termo “comum”. Pense em Ripken aqui, não em Bonds.


Graça não é comum


A frase “meios ordinários da graça ” pode ser interpretada como sugerindo que a obra de Deus é enfadonha e nada espetacular, mas não há nada de comum na graça de Deus. Deus usa a proclamação pública de um livro, que tem pelo menos 6.000 anos em alguns lugares, e seu Espírito para fazer com que um exército gigantesco de seus inimigos o ame e deseje se juntar a sua família. Quais são os meios ordinários da graça? Na resposta à pergunta 95, o Catecismo de Keach os define da seguinte forma:


Os meios externos e ordinários pelos quais Cristo nos comunica os benefícios da redenção são Suas ordenanças, especialmente a Palavra, o Batismo, a Ceia do Senhor e a Oração; todos os quais se tornam eficazes para a salvação dos eleitos. (Rm 10:17; Tg 1:18; 1 Co 3: 5; At 14: 1; 2: 41,42)

Há alguns meses, um homem da minha cidade me disse que havia plantado uma nova igreja. Pedi a ele que me falasse um pouco mais sobre isso. Como apenas um homem das montanhas do norte da Georgia poderia colocar, ele disse: “Bem, não é muito. Apenas pregando, orando e cantando. ‘Acho que é o bastante’.”


Bastante, de fato.


Quando tentamos usar meios extraordinários


Isso é bastante porque coisas trágicas acontecem quando trocamos os meios da graça de Deus pelos nossos — ou quando fazemos mau uso de seus meios. Pergunte aos filhos de Arão, Nadabe e Abiú. Enquanto lidavam com as coisas sagradas na adoração a Deus, eles ofereceram de modo rebelde fogo estranho no altar de Deus — um meio de adoração que o Senhor não ordenou. O resultado? Deus os vaporizou em sua ira.


Somente atente ao Israel do Antigo Testamento, que abraçou o panteão de divindades adoradas pelas nações ao seu redor, e Deus usou a Assíria e a Babilônia — nações iníquas, como instrumentos de julgamento. Claro, Deus em sua santidade se voltou e derramou seu julgamento sobre aquelas nações por seus pecados também.


Um dos princípios da Reforma frequentemente pouco discutidos foi o da simplicidade.

Obedecer a Deus é sempre melhor. Um dos princípios da Reforma frequentemente pouco discutidos foi o da simplicidade. Ou seja, adoração, ministério e todas as coisas que o acompanham (incluindo a arquitetura de uma igreja) devem ser simples. Meu amigo do norte da Georgia estava ciente de algo que nós — mesmo em nossos motivos corretos de ver o povo de Deus edificado e pecadores vindo a Cristo, frequentemente esquecemos: Deus realiza sua obra extraordinária de despertar espiritual por meio de pessoas comuns e coisas comuns.


Quando usamos os meios ordinários de Deus


Em Atos 2:23, Pedro pregou “este Jesus, entregue de acordo com o plano definido e presciência de Deus, crucificado por vocês e morto pelas mãos de homens sem lei,” e no versículo 41 lemos, “… foram acrescentadas naquele dia (à igreja) cerca de três mil almas”. A “loucura da pregação” tem um poder que confunde nossa sabedoria, pois o que o mundo vê como fraco é forte aos olhos de Deus e vice-versa (2 Co 12:1–10). Atos 2:42 nos diz que toda a igreja “se devotou” aos meios ordinários da graça: “E se devotaram ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações”.


Em Atos 13, Paulo e Barnabé pregaram o evangelho com ousadia aos gentios e Deus trouxe o despertar: “E quando os gentios ouviram isso, começaram a regozijar-se e a glorificar a palavra do Senhor, e todos os que foram designados para a vida eterna creram. E a palavra do Senhor estava se espalhando por toda a região”.


A conversão de Charles Spurgeon é uma das ilustrações mais notáveis ​​do poder da Palavra de Deus na história da igreja. Spurgeon, aos 15 anos, entrou em uma primitiva Igreja Metodista em um domingo para escapar de uma tempestade de neve. O pregador regular estava ausente e um substituto subiu ao púlpito e simplesmente leu Isaías 45:22 — “Olhai para mim e sede salvos, todos os confins da terra; porque eu sou Deus e não há outro”. Deus golpeou Spurgeon no coração e atraiu-o de forma salvadora para si mesmo. O impacto de Spurgeon no reino de Cristo desafia a imaginação. Mas tudo começou com a simples leitura das Escrituras.


Quando usamos os meios ordinários de Deus, obtemos o poder de Deus com eles. Existem muitas razões para construir nossas igrejas em torno de um ministério dos chamados “meios ordinários de graça” de Deus. Aqui estão cinco:


1. Os meios ordinários da transformação de Deus são atemporais.


A Palavra de Deus é a verdade eterna. Deus não muda, nem sua Palavra. O liberalismo protestante argumentou que o cristianismo deve mudar ou morrer. Hoje, as igrejas que aceitaram essa mensagem estão morrendo. Pela graça insondável de Deus, as igrejas que pregam o evangelho de Jesus Cristo hoje estão crescendo.


2. Os meios ordinários da graça de Deus podem ser implantados por qualquer igreja fiel.


Eu pastoreio uma igreja de aproximadamente 60 pessoas. Certamente desejamos crescer tanto em graça quanto em número, mas não temos que esperar até que tenhamos tijolos e argamassa ou um sistema de som de primeira linha para ser uma igreja válida fazendo um ministério válido centrado na Palavra. Oro para que sejamos fiéis em fazer isso agora em todas as áreas de nosso pequeno ministério. Não temos orgulho de sermos pequenos — esse é um problema de coração diferente, mas nossos presbíteros e membros simplesmente confiam em Deus para honrar sua Palavra.


3. Os meios ordinários da graça de Deus não requerem inovação extraordinária.


Na economia de Deus, o fraco é forte e o forte é fraco (2Co 12:1–10). Portanto, o princípio para o sucesso no ministério é a fidelidade perseverante. Os meios ordinários da graça aparecem aos olhos da maioria como patéticos e insignificantes, com muito pouco potencial para realizar qualquer coisa de amplo impacto. Mas Deus trabalha assim. Ele usa um profeta rebelde para levar as boas novas a Nínive. Ele transforma um discípulo fraco, hesitante e que o nega três vezes em um dos pregadores mais ousados ​​que o mundo já viu. Embora sejamos profundamente falhos e desesperadamente fracos, Ele nos usa.


4. Os meios ordinários da graça de Deus promovem a humildade e a adoração com reverência e temor.


Quando Deus define a agenda e nós a seguimos, estamos admitindo que ele é soberano e nós não. Quando empregamos seus meios, estamos dizendo: “Tu és Deus e eu não, Tu se revelaste nas Escrituras e eu, com alegria e boa vontade, me submeto à sua sabedoria”. Isso é humildade. Quando nos humilhamos então estamos posicionados para adorar a Deus com reverência, temor e ação de graças, porque Ele fez isso, não nós.


5. Usar os meios ordinários da graça de Deus corretamente é um ato de fé.


Em Mateus 16, Jesus prometeu: “Eu edificarei minha igreja e as portas do inferno não a vencerão”. Deus edifica sua igreja sobre o fundamento dos apóstolos e profetas — que significa sua Palavra, com Cristo Jesus (a soma e a substância da Palavra) como a pedra angular (Ef 2:20). Os meios ordinários da graça são o carpinteiro divinamente designado e movido pelo Espírito da igreja de Deus. A Palavra de Deus e o Espírito de Deus conspiram para formar o motor que puxa os carros pelos trilhos da salvação e santificação. Devemos ministrá-los fielmente com toda a paixão e energia que Deus nos dá e com a confiança de que Ele os usará para realizar sua obra milagrosa de transformar pecadores em santos.


Sem atalhos


Em um nível puramente humano, nossa tarefa como líderes da igreja local é simples. Como Cal Ripken, devemos comparecer a cada Dia do Senhor e a cada evangelismo realizado, dia após dia, semana após semana, ano após ano, e ser fiéis para ministrar seus meios ordinários da graça e então assistir nosso grande Deus construir sua igreja de um modo como o mundo, com todas as suas coisas extraordinárias, nunca será capaz de explicar.

Dr. Jeff Robinson é editor sênior do The Gospel Coalition. Bacharel em jornalismo pela University of Georgia, Master of Divinity em estudos bíblicos e teológicos e PhD em Teologia Histórica com ênfase em História Batista pelo Southern Baptist Theological Seminary, Louisville, Kentucky. Ele é pastor da New City Church em Louisville, KY. Jeff e sua esposa Lisa são casados ​​há 19 anos e têm quatro filhos.

Traduzido por Tiago Silva


Texto Original: God’s Ordinary Means of Grace Are All You Need In: Founders Ministries


328 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo