Oito razões pelas quais a Pregação Expositiva Consecutiva é necessária

Atualizado: 17 de Jul de 2019

por Tim Sattler |

Uma vez que existem diferentes definições de pregação expositiva consecutiva e vários equívocos, Tim Sattler* (Diretor Internacional de Treinamento da Missão Leadership Resources International) conversou recentemente com Kevin Halloran para esclarecer por que a exposição consecutiva é o método de pregação mais recomendado.


Tim Sattler: É simplesmente uma abordagem de pregação que lembra que cada livro da Bíblia tem uma mensagem central pretendida pelo autor. Para entender o que é a mensagem, você precisa entender o todo, não apenas partes. Não é uma definição que diz: "Você tem que pregar tantos versículos por semana, esses poucos ou muitos" – trata-se de realmente considerar o desdobramento de todo o livro e comunicar a mensagem do autor, não a nossa. Para fazer isso, temos que ver o livro na íntegra.

Dito isso, você pode se encontrar pregando textos menores ou textos mais longos, dependendo do seu dom como pregador na comunicação. A exposição consecutiva é principalmente garantir que você esteja pregando um livro inteiro, porque foi assim que o livro foi comunicado por Deus. Ele não nos deu apenas versos ou segmentos, Ele nos deu uma mensagem através de um autor para uma audiência. E nós temos que saber o que é essa mensagem inteira.

Kevin: Assim como assistir a um clipe de um filme não conta toda a história, às vezes, apenas vendo clipes, você nem entende o conteúdo dos clipes ou do filme. Você precisa de todo o livro para toda a imagem. Agora vamos percorrer oito razões para a pregação expositiva consecutiva.


1. Exposição consecutiva demonstra confiança na autoridade da Bíblia.


Tim: A Bíblia está acima de nós, não nós acima dela. Se não estamos contando a história ou mensagem da maneira como Deus a deu, estamos realmente nos colocando acima da Bíblia - escolhendo e escolhendo. Exposição comunica sua visão de Inspiração. Se acreditarmos em uma inspiração verbal e plenária das Escrituras; e se acreditarmos que os pensamentos, as palavras, o coração do autor e a comunicação são de Deus; então temos que dizer o que Deus diz, não o que queremos dizer sobre o texto. A maneira como um pregador lida com o Texto revela qual é sua visão de Inspiração.

A Bíblia não é uma enciclopédia de história. Eu acho que muitas vezes pregadores ou pessoas na congregação vêem dessa maneira - apenas como uma enciclopédia de muitas coisas, como doutrinas importantes. Muito poucas pessoas sentam e leem uma enciclopédia do começo ao fim. Normalmente, vamos a uma enciclopédia para obter algumas informações que adicionamos às informações que estamos transmitindo. É assim que muitas pessoas olham para a Bíblia.

Desde Moisés, Deus queria que Seu porta-voz comunicasse o que Ele disse. Ele deixou muito claro que você tem que dizer o que Deus diz. É a mesma coisa com Samuel: Quando Deus trauxe a Sua Palavra de volta no tempo dos juízes em 1 Samuel 3, para o perverso sacerdote Eli, Samuel disse tudo. E diz: “Deus não deixou falhar nenhuma de suas palavras” (1 Sm 3.19). Isso significa que houve prazer em Deus que Seu servo tenha dito o que Ele disse. Para fazer isso, precisamos pregar através dos livros e chegar à mensagem que Deus está comunicando.

Isso não significa que você tenha que pregar cada palavra e comentar cada palavra. Você tem que pregar quais são os principais pensamentos do autor. Porque todas essas palavras se somam a isso. Se nós pregarmos muito pequenas seções, acabaremos exportando nossas próprias ideias teológicas para o texto, ao invés de ver como a passagem completa se comunica. Na pregação, a arte é chegar no que é a intenção do autor.


2. A exposição consecutiva através de livros da Bíblia é a forma que mais precisamente comunica a mensagem de Deus para nós.


Tim: Deus comunicou a Sua Palavra da maneira que Ele quer que seja ouvida. A melhor maneira de comunicar o que Deus nos deu é pregar os livros que Deus nos deu e não apenas escolher passagens aqui e ali de outros livros. Eu acho que muitas pessoas têm a visão de que a Bíblia é apenas uma coleção de versos, e eles não sabem como eles se conectam. Eles podem conhecer algumas histórias, mas não conhecem a história completa da Bíblia. Precisamos fazer o melhor possível para comunicar o que Deus disse da maneira que Ele disse. A Bíblia é uma maravilhosa literatura do começo ao fim, mas é tudo uma só história. Quando comunicamos corretamente, capturamos os corações das pessoas.

Kevin: A maneira como penso em exposição consecutiva em comparação com escolher seus versos ou passagens favoritas é como um quebra-cabeça. Você não quer se concentrar em apenas uma peça, você quer se concentrar no quadro geral. Você perde muito sem a grande figura. Ele nos deu um livro inteiro, e precisamos entender que estruturas artificiais (como números de capítulos e versículos) são úteis para navegar no livro, mas elas não são inspiradas.

Tim: Você mantém isso no contexto. Você mantém isso no enredo. Mantém o pregador longe de suas próprias ideias, e sob controle. Isso o mantém comunicando o que Deus disse.


3. A exposição consecutiva ajuda a congregação a ler melhor a Bíblia.

Tim: Isso precisa ser um objetivo na pregação, toda semana. Ao explicar o texto, um dos seus objetivos é mostrar a simplicidade de ler a Bíblia para aqueles que estão no banco. Se for bem feito, torna-se um modelo de como se deve abordar e ler a Bíblia. Não é como se você quisesse que as pessoas fossem embora dizendo: “Uau, ele é tão bom, acho que voltarei na próxima semana.” Você quer que as pessoas saiam dizendo: “Uau, ele está me ajudando a ler a Bíblia”. Pode ajudar os outros a entender o que a Bíblia está dizendo.


4. A exposição consecutiva força os pregadores a abordar tópicos difíceis que eles podem não escolher por conta própria.


Tim: Alguns pregadores não querem pregar sobre pecado, idolatria, imoralidade ou dinheiro; e isso força os pregadores a lidar com o assunto à medida que ele aparece. Além disso, quando há questões pastorais delicadas acontecendo em sua igreja, alguém pode sentar e pensar: “Oh, ele está pregando isso porque estou passando por isso”. Eles não podem dizer isso se for a próxima coisa no texto. Eles não podem dizer: "Tudo o que ele quer é dinheiro porque ele está sempre falando sobre dinheiro".

Kevin: Isso dá liberdade ao pastor, a medida que ele não precisa se preocupar com possíveis acusações ou confusão sobre por que certas coisas estão surgindo.

Tim: Ajuda um pastor a aprender como pastorear as pessoas porque você está pregando através do livro, com a intenção do autor. Isso vai lhe dar a intenção de pastoreio para o povo de Deus. Você não precisa criar um “princípio de cinco etapas” por conta própria quando o texto der a você.


5. A exposição consecutiva torna mais fácil programar séries de pregação e tirar o máximo proveito do tempo de preparação.


Tim: Se você está pregando sermões únicos toda semana e comunicando claramente o contexto literário ao seu pessoal, esses são os sermões mais difíceis de fazer. Você realmente precisa saber como eles se encaixam em toda a mensagem do livro.

Kevin: E pensar em termos de todo o livro é extremamente benéfico ao planejar o cronograma de pregação da sua igreja. Você pode saber por meses e meses que passagem você vai pregar em que semana. Isso permite um tempo de preparação mais estratégico. Por exemplo, se você conhece todos os seus tópicos de pregação pelas próximas oito semanas, isso lhe dá oito semanas para estudar as passagens mais difíceis e pensar em ilustrações ou aplicações úteis. Talvez quatro semanas depois do início da sua série, um grande evento ou assunto pastoral aparece na congregação, você pode apertar o botão de pausa e voltar à sua série depois de algumas semanas.

Tim: Se um 11 de setembro acontece, e todo mundo está pensando sobre isso no domingo, e você continua passando por Provérbios porque é onde você estava, você provavelmente não vai estar pastoreando bem o seu povo. Esses sermões são mais difíceis, porque você precisa se certificar de que está realizando seu trabalho contextual e sabe para onde está levando o que você está trazendo.

Eu me lembro de pregar através de Mateus uma vez, e parei quando chegamos à questão do inferno. Eu tinha um homem na minha congregação que não acreditava em um inferno eterno; ele acreditava em uma aniquilação. Levamos uma semana para explorar o que a Bíblia diz sobre o inferno. Eu ajustei minha agenda porque sabia que havia um cara que precisava ouvir isso. Isso pode acontecer dependendo do calendário da igreja, mas geralmente é a exceção.


6. A exposição consecutiva ajuda as pessoas a ver a história geral das Escrituras.


Tim: Muita pregação está desconectada da história geral da Bíblia. Parece haver um ressurgimento para tentar voltar a isso. É importante conectar as pessoas à história bíblica. Ela conecta as pessoas ao que Deus está fazendo no mundo hoje.

Kevin: Isso é crucial para o desenvolvimento de uma cosmovisão bíblica em nosso povo, vendo cada livro nas Escrituras em termos de toda a história, porque é a história da humanidade, a história da qual fazemos parte hoje.

Tim: Somos egocêntricos e tentamos trazer a Bíblia para a nossa história, em vez de ver como nos encaixamos na história da Bíblia. Eu acho que enquanto estamos pregando a história da Bíblia, ainda lidamos com os mesmos problemas. Ainda somos pessoas caídas em dificuldades e Deus está trabalhando através de nossas vidas. Isso nos dá confiança quando vemos o que Deus está fazendo através das Escrituras e por que Ele está fazendo isso.


7. A exposição consecutiva prega o conselho completo de Deus, permitindo que os pregadores tenham uma consciência limpa diante de Deus.


Kevin: Quando Paulo fez seu discurso de despedida aos líderes de Éfeso em Atos 20, ele disse: “Testifico a vocês neste dia que sou inocente do sangue de todos, pois não me esquivei de lhes declarar todo o conselho de Deus”. Paulo pregou a verdade, toda a verdade e nada além da verdade, e trouxe liberdade para ele e uma consciência limpa. Ele não precisava se preocupar.

Tim: Voltando ao primeiro ponto sobre inspiração, nossa convicção precisa proclamar o que Deus disse e tudo o que Deus disse. Essa é uma boa maneira de fazer isso sem qualquer agenda personalizada, sem qualquer estrutura que nos dirija, é uma boa maneira de se posicionar diante de Deus e dizer: "Fui fiel ao que o Senhor me encarregou de fazer".

Kevin: E sabendo que Tiago 3.1 diz que os mestres enfrentarão maior julgamento, é crucial que possamos ter confiança na Palavra de Deus e pregar com uma consciência limpa. Nós não estamos pregando nossas palavras, mas as de Deus.


8. Exposição consecutiva remove possíveis distrações.


Tim: Nós falamos sobre isso no item 4 acima. Alguém diz a você em uma manhã de domingo: “Eu sinto que você esteve na minha sala ontem à noite”. “Eu estava em aconselhamento com você na quinta-feira, e me tornei a ilustração de seu sermão no domingo.” A pregação consecutiva remove obstáculos de pessoas dizendo "Ele está falando sobre mim para eles" ao invés de "Ah, ele está falando diretamente comigo porque esta passagem estava aqui para mim hoje."


Tim Sattler

Diretor Internacional de Treinamento da Missão Leadership Resources International. Tem treinado professores do Pregue a Palavra no Brasil há 11 anos.



Fonte: www.leadershipresources.org

Traduzido com permissão.

Título original: Eight Reasons Why Consecutive Expository Preaching is Needed

Tradução: Nelson Galvão


#pregaçãoexpositiva

589 visualizações

Prega a Palavra, insiste a tempo e fora de tempo, aconselha, repreende e exorta com toda paciência e ensino

2 Timóteo 4.2

© 2017 por Ministério Pregue a Palavra
R. Santo Rosa, 96 - Jardim Alvinópolis, Atibaia - SP - Brasil, 12943-050

Secretaria: (11) 4412.6679

  • Facebook Clean
  • White YouTube Icon