Doutores da alma. Curas verificadas para os conselheiros de hoje

Atualizado: 26 de Jul de 2019

por Nathan Tarr |


A história da igreja é um poderoso recurso para o ministério cristão. Isso é verdade, em primeiro lugar, pelo modo como nos ensina a ler. Ler a história com honestidade exige que consideremos uma realidade objetiva que está fora de nós mesmos. Pessoas no passado - até mesmo nossos heróis - não agiram como nós, e não ajuda fingir que eles fizeram. Como o romancista L.P. Hartley reconheceu: “O passado é um país estrangeiro; eles fazem as coisas de maneira diferente lá.” Isso significa que não podemos ler eventos de cinquenta anos atrás - muito menos mil e quinhentos anos - e esperarmos encontrar imagens opacas de nós mesmos.


Mas é justamente por nos obrigar a reconhecer essa alteridade que a história da igreja nos prepara para enfrentar os desafios contemporâneos. Ler uma história desconhecida exige que leiamos com paciência, cuidado, curiosidade, simpatia e sobretudo humildade. Ao fazê-lo, estamos sendo libertados de nossa auto-absorção inata e sendo formados em ouvintes sensíveis, habilidosos em ouvir e ajudar os outros. Ler bem a história da igreja é uma disciplina espiritual para remodelar a alma egocêntrica.


Segundo, uma vez que reconhecemos essa diferença do passado, estamos prontos para ouvir o que ele tem a dizer. E o que descobrimos é que os ramos dos séculos anteriores estão cheios de frutos de boas respostas a questões em andamento. Para dar um exemplo, fornecer ajuda cristã a outra pessoa tem sido um desafio permanente. Os quatro exemplos seguintes oferecem um gostinho de modo como nossos antepassados ​​na fé reconheceram a complexidade do chamado bíblico para cuidar uns dos outros, bem como provar algumas das estratégias que eles estabeleceram para abordá-lo. Todos os quatro ainda estão impressos ou disponíveis online.


Gregório de Nazianzus, Reflexões sobre o Sacerdócio (362 d.C)


Gregório comparou a vocação de um pastor (embora também se aplique a um discípulo) com a de um médico. “Como o mesmo remédio e a mesma comida não são administrados em todos os casos aos corpos dos homens, mas a diferença é feita de acordo com seu estado de saúde ou enfermidade, assim também as almas são tratadas com instrução e orientação variadas.” Único na ajuda que eles exigem, mas a ajuda que cada um de nós precisa mudará ao longo das fases de nossa vida.


Essa complexidade é agravada pelo fato de que um pastor é chamado não apenas para tratar "a pessoa escondida do coração", mas para fazê-lo entre as pessoas que se escondem de sua própria cura. “A própria ânsia com a qual deveríamos desnudar nossa enfermidade para nossos médicos espirituais, empregamos para evitar este tratamento.” O dever de pressionar através da “resistência armada” oferecida por aqueles que desculpam seu pecado, e então discernir um restaurativo adequado para sua doença espiritual qualifica o cuidado pastoral, na avaliação de Gregório, como “de fato, a arte das artes e a ciência das ciências”.


Essa alta visão do chamado pastoral resulta em uma ênfase igualmente alta no caráter de um pastor. Mas, para nos impedir do desencorajamento que vem quando tentamos descarregar essas responsabilidades em nossa própria força, Gregório eleva nossa atenção para a suficiência de Cristo e o poder que ele opera através do ministério de sua palavra.


Gregório, o Grande, sobre o cuidado pastoral (590 d.C)


Este segundo Gregório baseia-se na observação do primeiro cuidado pastoral: a arte das artes - identificando oito tensões concretas que abraçamos à medida que nos importamos com o povo de Deus. Para dar um exemplo, Gregorio observa que há momentos em que devemos ficar em silêncio e momentos em que devemos falar. Essa tensão significa que, ao ministrar aos outros, devemos estar alertas contra o discurso "precipitado" ou prematuro. Mesmo que o que dizemos seja verdade, nossas palavras servirão a nós mesmos, em vez de lucrar com nosso irmão ou irmã, a menos que sejam acompanhados de uma escuta cuidadosa. Dietrich Bonhoeffer ecoou esta instrução em sua Life Together: “O primeiro serviço que alguém deve aos outros na irmandade consiste em ouvi-los”.


Mas isso é apenas um aspecto da tensão. Uma tentação igual e oposta nos convida a manter o que Gregório chama de "um silêncio indiscreto". O silêncio negligente ocorre quando "deixamos em erro aqueles que poderiam ter sido instruídos". Muitas vezes, essa hesitação decorre do temor ao homem. Assim, na feia raiz da fala não lucrativa e do silêncio indiscreto está o amor de si mesmo. “Quando a mente do orientador espiritual é tomada pelo amor-próprio, às vezes isso o leva a uma frouxidão desordenada, outras vezes a uma austeridade indevida.” Nosso discurso e silêncio devem depender do que é melhor para o outro.


Martin Bucer, sobre o verdadeiro cuidado das almas (1538 d.C)


O reformador Martin Bucer também reconheceu a complexidade do cuidado da alma, descrevendo “este ministério tão variado” que deve ser “realizado de tal maneira a ajudar qualquer um e todos os eleitos.” O modo como ele se lembrava dos diferentes tipos de alma. Sua congregação precisava de cuidados e ele criou cinco categorias de ovelhas que precisam de um ministério diferente de seu pastor. As ovelhas perdidas precisam ser procuradas, as ovelhas extraviadas precisam ser restauradas, as ovelhas feridas precisam ser curadas, as ovelhas fracas precisam ser fortalecidas, e as ovelhas saudáveis ​​precisam ser alimentadas com uma dieta na qual possam continuar a crescer forte. Bucer e seus anciãos conceberam e realizaram seu ministério local, dando atenção a essas distinções.


Bucer escolheu a linguagem pastoral de pastor e ovelha para destacar sua convicção de que “Cristo nosso Senhor. . . está realmente presente em sua Igreja, governando, liderando e alimentando-se a si mesmo”. Certamente, isso soa uma nota da Reforma: Cristo não precisa de um “vigário ”(substituto) na Terra sobre sua Igreja porque ele próprio está presente e ativo entre o Seu povo. A maneira que Jesus escolheu para pastorear cada congregação é “através do ministério de sua palavra, que ele faz exteriormente e tangivelmente através de seus ministros e instrumentos” - ou seja, presbíteros que pregam, diáconos que servem e crentes que administram a “graça variada” de Deus. (1 Pedro 4:10) Esta compreensão distintamente protestante de Cristo presente e ativo em Sua igreja dá grande esperança aos crentes chamados, na frase de Paul Tripp, para serem instrumentos nas mãos do Redentor.


Richard Baxter, o pastor reformado (1656 d.C)


Os puritanos são frequentemente chamados de "médicos da alma". Richard Baxter é uma das razões. Seu ministério, como o título de seu livro, atuou sobre a reforma ainda hesitante na Inglaterra para alinhar a vida pessoal e da igreja com as Escrituras. A avenida pela qual Baxter procurou realizar essa transformação foi a instrução discipuladora contínua de cada membro de sua congregação. Uma compreensão mais completa da verdade revelada de Deus, acreditava Baxter, edificaria cada um daqueles sob seus cuidados.


Baxter tinha um apreço incomum pela maneira flexível em que a verdade imutável deve ser ministrada ao seu povo. Ele reconheceu que “Deus não quebra todos os corações igualmente”. O pastor sensível, portanto, “falará à necessidade particular de cada indivíduo”. Grande parte do livro de Baxter se esforça para mostrar esse “trato pessoal” em ação para que outros possam começar a praticá-lo por si mesmos.


O quadro que emerge, ao contrário da caricatura, é uma prática pastoral puritana que foi encharcada de misericórdia. Para dar um exemplo, Baxter aconselhou seus colegas ministros: “Quando você percebe que eles não entendem o significado da sua pergunta, você deve extrair a resposta deles por uma questão equivalente ou expositiva; ou, se isso não acontecer, você deve enquadrar a resposta em sua pergunta e exigir uma resposta, mas sim ou não.”


Nathan Tarr


Serve como pastor de discipulado e missões na Christ Baptist Church em Raleigh, Carolina do Norte. É autor de "O Fruto dos Lábios que reconhecem Seu Nome: O Testemunho do Pastor Paul Schneider".

Ele e sua esposa, Devon, têm cinco filhos.


Fonte: www.desiringgod.org

Traduzido com permissão.

Título original: Doctors of the Soul. Tested Cures for Today's Conselors

Tradução: Nelson Galvão


#históriadaIgreja

#ministériopastoral


191 visualizações

Prega a Palavra, insiste a tempo e fora de tempo, aconselha, repreende e exorta com toda paciência e ensino

2 Timóteo 4.2

© 2020 pela Associação Bíblica Pregue a Palavra
R. Santo Rosa, 96 - Jardim Alvinópolis, Atibaia - SP - Brasil, 12943-050

CNPJ: 15.156.924/0001-59 

Secretaria: (11) 4412.6679

Entregas de compras em até 15 dias

  • Facebook Clean
  • White YouTube Icon